EDUCAÇÃO PONTUADA

VERSOS E RIMAS

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012
  • CULTURA POPULAR – Formação – Reflexão- Transformação –
  • Projeto Brincar – Cempec – Fundação Volks- 11/05/2010.

Música

  • Caranguejo não é peixe/caranguejo peixe é/Eu já vi um caranguejo/ sentado e lavando o pé.
  • Cajueiro, meu cajueiro/Carregadinho de flor/eu também sou pequenino/carregadinho de amor.
  • Eu sou pequenino/do tamanho de um botão/carrego papai no bolso e a mamãe no coração.
  • Entrei no jardim das flores/não sei qual escolherei/aquela for mais bela/com ela abraçarei.
  • No dia em que eu nasci/até um galo cantou/minha mãe disse a meu pai/esse vai ser cantor.
  • Lá em cima daquele morro/tem um velho relojoeiro/quando vê moça bonita/faz relógio sem ponteiro.
  • Fui ao mato pegar lenha/ marimbondo me mordeu/me escondi atrás da planta / meu bumbum apareceu.
  • Fui passar na pinguelinha/chinelinho caiu do pé/ os peixinhos reclamaram: que cheirinho de chulé!
  • Todo mundo se admira/Do macaco andar de pé/ o macaco já foi gente/pode andar como quiser.
  • A muié pra ser bonita/tem que ser bem amarela/tem que sê bem amarela/ter três palmos de nariz/palmo e meio de canela.
  • Caboclo pra sê bom/precisa quatro sabê/toca viola,joga truque/namora e sabê lê.
  • Eu tenho um chapéu de palha/que causa encantamento/quando eu ponha na cabeça/não me falta casamento.
  • Papagaio, periquito/Saracura, sabiá/Todos cantam, todos bebem/ a saúde de Yayá.
  • Jacaré tá na lagoa/Com preguiça de nadar/deixa estar,seu jacaré/que a lagoa há de secar.
  • Sou pequenino no tamanho/Meu coração é grandão/Papai me carrega no colo/Eu o carrego no coração.
  • Fui à feira comprar uva/ encontrei uma coruja/eu pisei na cauda dela/me chamou de cara suja.
  • O coqueiro de sabido/Foi-se por naquela altura/Pensando que eu não sabia/Quando tem fruta madura.
  • Eu não vou na sua casa/Pra você não vir na minha/você  tem a boca grande/vai comer minha comida.
  • Upa, upa cavalinho/meu potrinho alazão/Vem correndo ligeirinho/Vem comer na minha mão.
  • Trinta dias tem novembro/abril, junho e setembro/vinte oito só tem um/os demais tem trinta e um.
  • Todo mundo se admira/da macaca fazer renda/Eu já vi uma perua/ser caida de uma venda.
  • Lá vai uma, lá vão duas/lá vão três pela terceira/lá se vai o meu amor/de vapor pra cachoeira.
  • Quem tivé muié bonita/traga presa na corrente/a sua que era feia/jacaré levou no dente.
  • Eu tenho um chapéu de palha/de pano não posso ter/de palha eu mesmo faço/de pano não sei fazer.
  • Pra plantar caninha-verde/não precisa imaginar/de qualquer folha de mato/tiro um verso pra cantar.
  • Não dês a ponta do dedo/que logo te levam a mão/depois da mão vai o braço/vai o peito e o coração.
  • Chupei uma laranjinha/a semente jogue fora/da casca fiz um barquinho/pra levar meu amor embora.
  • Você me mandou cantar/achando que eu não sabia/pois eu canto que nem cigarra/canto sempre todo dia.
  • Lá no fundo do quintal/tem um tacho de melado/quem não sabe cantar verso/é melhor ficar calado.
  • Batata não tem caroço/bananeira não tem vó/Pai e mãe é muito bom/barriga cheia é melhor.
  • Santo Antonio,Santo Antonio/Se queres que eu tenha fé/me arranja um namorado/sentado num Chevrolet.
  • Eu não vou na sua casa/pra você não ir na minha/ você tem boca grande/vai comer minha galinha.
  • Batatinha quando frita/se esparrama na marmita/todo mundo quando grita/grita feito uma marmita.
  • Vou dar a despedida/como deu o passarinho/ bateu as asas, foi-se embora/deixando as penas no ninho.
  • Amor com amor se paga/que outra paga não tem/quem com amor não paga/não diga que paga bem.
  • O coqueiro de sabido/foi-se por aquela altura/pensando que não sabia/quando tem fruta madura.
  • Pula, pula, pipoquinha/pula, pula,sem parar/e depois uma voltinha/cada um no seu lugar.
  • Quem me dera, quem me dera/um cavalinho de vento, pra dar um galopinho,onde está o meu pensamento.
  • No dia em que eu nasci/até um galo cantou/minha mãe disse ao meu pai/esse vai ser cantador.
  • Lá vem a lua surgindo/veja a luz que ela tem/se não é lua, foi engano/são os olhos do meu bem.
  • O tatu cava um buraco/a procura de uma lebre/quando sai para caçar/já está em Porto Alegre.
  • Tigelinha de água fria/que caio na prateleira/foi nos olhos da Maria/que chorou segunda feira.
  • O tatu cava um buraco/e some dentro do chão/quando sai pra respirar/já está lá no japão.
  • O tatu cava um buraco/dia e noite/noite e dia/quando sai pra descansar/já está lá na Bahia.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: