EDUCAÇÃO PONTUADA

SUGESTÕES PARA TRABALHAR O “DIA DO TRABALHO”

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012
  • BREVE EXPLICAÇÃO:

No dia 1º de Maio comemoramos o Dia do Trabalho, para homenagear todas as pessoas que trabalham. O dia do trabalho é comemorado a 1º de maio desde  1890 porque nesse dia, em 1866, aconteceu uma grande manisfestação a favor dos trabalhadores das indústrias de sapatos, que eram muito mal-tratados: salários baixos ( ganhavam pouco pelo trabalho), trabalhavam muitas horas (ficavam cansadissimos) além de trabalharem em lugares que prejudica vam  sua saúde ( ficavam logo doentes). Revoltados com isso, eles se reuniram e exigiram que isso melhorasse.

No Brasil, como em todos, há, há  hoje leis que tratam dos direitos e deveres do  Trabalhadores. Muita coisa ainda precisa melhorar, muito também já melhorou.Todo trabalho pe digno e necessário:do feirante, do caixa do banco, do bombeiro, do vendedor da loja, do motorista de ônibus. do lixeiro, do ator, do professor, do estivador no porto, da mamãe em casa, etc.

  •  História : ” A CIGARRA E A FORMIGA ” ( DISCO).

Ouvir a fábula de La Fontaine, discutir e lembrar da importância do trabalho  para a sobrevivência e não esquecer da necessidade do lazer.

  • Dramatização: ( ou Mímica):

De profissões ou trabalhos executados pela mamãe, pelo papai, pelas pessoas da escola, do bairro, d a televisão, etc. Ou dramatização de histórias como ” A cigarra e a formiga“, “Os três Porquinhos “, ” O afanhoto e as Formigas, e outras.

  • Pesquisa:

Em revistas e jornais, procurar as figuras de pesoas trabalhando. recortar e colar em cartaz ou sulfite.

  • Desenhos de Profissões:

Após observação ou pesquisa, desenhar, identificar, compor um painel de profissões.

  • Observação ( Estudo do Meio):

O que foi feito pelo trabalho do homem.Visita à área externa da escola e observação e discussão: o que é da natureza  e o que foi transformado pelo trabalho do homem. Ex.: as árvores são da natureza, mas a janela não existia até o homem pegar tudo na natureza ( que precisava para fazê-la) e transformar tudo em janela. Para isso, primeiro pensou, isto         é, inventou a janela em pensamento.

Destacar que o estudo também é uma forma de trabalho – e eles são estudantes.

Observar:

  1. a roupa- quem fez?
  2. o lápis – quem fez?
  3. a comida- quem fez?

Lembrar que estudando, o homem  pensa sempre em como melhorar a sua vida e a dos outros. Assim criou o  carro, a cadeira, etc.

  • Identificação de profissões em gravuras:

Observar cartazes com diferentes profissões (disponíveis na escola), identificar as profissões e sua importância.

  • Transformar um material:

Por exemplo: Confeccionar o trabalho para o Dia das Mães, ou planejar e executar uma atividade culinária; transformar uma sucata em brinquedo; trabalhar na horta; etc.( Qualquer trabalho transforma, cria…).

  • Pesquisa em livros de histórias e/ou gibis:

Exemplo: Na ” Branca de Neve e os 7 Anões”, os anões trabalham na mina. Na história do “Tio Patinhas”, ele trabalha no banco.Nos ” Três Porquinhos”, o terceiro trabalha como pedreiro, etc.

Apostila organizada por KÁTIA DERITO RAMOSN ( Coordenadora Pedagógica)

OBS.: No CD calendário Escolar Musicado, temos a música ” Canção do Trabalho”

Anúncios

SUBSÍDIO PARA TRABALHAR O “DESCOBRIMENTO DO BRASIL”

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012
  • BREVE RELATO DA HISTÓRIA

Há muito tempo, num país distante daqui, chamado Portugal, havia um rei muito querido (D. Manoel I) e que gostava muito de colocar pimenta e outros temperos em sua comida( canela, cravo e outros, para dar mais sabor).

Só que em Portugal, não havia nada disso. Um dia, ele chamou um almirante – Pedro Álvares Cabral, para ir ás Índias comprar essas especiarias – e também para que fosse até o outro lado do mar, porque o Rei ouvira dizer que lá havia terras que ainda não tinham sido descobertas.

Saiu então Cabral, com 13 caravelas ( explicar que na época não havia navios com motor como  hoje e desenhar uma caravela:barco veleiro).

Navegaram  muitos e muitos dias, até que avistaram um monte e por ser dia de Páscoa, chamaram “Monte Pascoal“.

Numa 4ª feira, 22 de abril de 1500, Cabral descobriu o Brasil. O nome Brasil deve-se ao pau-brasil, vegetal que crescia em toda a costa brasileira:madeira de cor brasa (vermelha).

A partir da história, perguntar: quando Cabral aqui chegou, quem morava no Brasil?( Índios).Sondar se têm idéia que não havia cidades, somente mata, etc…Portanto, os índios foram os primeiros habitantes do Brasil.

  • DOBRADURA: CARAVELA

A partir da história, com retângulos brancos e círculo(LP ou Marrom). Dobrar tudo ao meio e para o mastro utilizar palitos.

  • DESENHO DA HISTÓRIA ( INDIVIDUAL OU COLETIVO)

Se coletivo fixar um L.P.na lousa e chamar cada criança para fazer uma coisa : 13 caravelas, ondas do mar, os índios, o Monte Pascoal, as árvores (E O PAU-BRASIL),ETC.

  • CORRIDA DAS CARAVELAS (DOS PAPÉIS)

Cada criança desenha em sulfite mais ou menos 8X8 cm., uma caravela e de 4 em 4, participam da corrida. Partida: Portugal;chegada: Brasil. Devem abaixar-se e ir conduzindo o papel soprando.

  • PESQUISA

Letras da palavra Brasil, em revistas: depois copiar a palavra.

  • CANTO

“Descobrimento do Brasil”( Melodia: O  cravo brigou com a rosa)

1- Foram 13 caravelas/ Saíram de Portugal/ Era comandante delas/ Pedro Álvares Cabral.

2- Navegaram e navegaram/sob este céu de abril/ No dia 22 de abril/ Cabral descobriu o Brasil

OBS: Estas são apenas algumas sugestões de atividades que, como outras, enriquecerão o currículo e servirão para trabalhar objetivos  do Planejamento.

Apostila Organizada por KÁTIA DERITO RAMOS.

No CD Calendário Escolar Musicado, tem 3 músicas:

– A viagem de Cabral

– Descobrimento do Brasil

– Os nommes que teve o Brasil

SUBSÍDIOS PARA TRABALHAR O TEMA “NATAL”

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Natal refere-se a nascimento.No caso, nascimento de Jesus.Não devemos perder a oportunidade de trabalhar esse tema com as crianças e através dele manter vivo o espírito cristão( no sentido da fraternidade, do amor, do respeito ao outro, da humildade). Nesta apostila encontram-se alguns aspectos da história e lendas, bem como sugestões de músicas, atividades e indicação de livros para as crianças. Alguns textos são d’A  Tribuninha de 23  de  dezembro de 1995.

IMPORTANTE SABER QUE

  • O natal é uma festa cristã.Isto quer dizer que ela é realizada or quem acredita em Cristo, para comemorar seu nascimento. Como o nosso calendário começa a contar os anos a partir do nascimento dele, então faz 2001 anos que nasceu um menino, que tinha sido anunciado para sua mãe por um anjo chamado Gabriel e que deveria receber o nome de Jesus.Isso aconteceu na Cidade de Belémm que fica na Jordãnia.Ele nasceu num estábulo, porque o pai e a mãe dele estavam viajando de uma cidade para outra. As viagens eram feitas a pé e por isso demoravam muito.Jesus, quando ficou adulto,andou em muitos lugares falando sobre Deus e a vida dos homens.O que ele falou foi aproveitado pelas religiões cristãs (as que acreditam em Jesus Cristo). Essa história está contada num livro chamado Bíblia.

O PRESÉPIO

  • O Presépio   é a representação do lugar onde Jesus nasceu. Os pais dele,  José e e Maria, estavam viajando e ele nasceu no meio do caminho. Como não tinha onde ficar, José arrumou um lugar para Maria e seu bebê num estábulo, junto com os bois. Enquanto isso, em Jerusalém, o Rei Herodes, queria saber quem era o menino que o povo dizia que seria o rei dos reis. Ele não gostava da idéia de ter outro rei. Segundo a história que passa de geração, um anjo avisou José para que não seguisse viagem coma  família, para escapar do Rei Herodes. Assim, Maria, José e Jesus ficaram no   estábulo, junto com os animais, esperando o momento de poder andar livremente. Para lembrar essa história, que está escrita na Bíblia, os povos cristãos montam o presépio, um outro símbolo da época do Natal.

A ESTRELA GUIOU OS REIS MAGOS…

  • A estrela brilhante com uma longa cauda que se coloca no presépio acima do estábulo onde ficam Maria, José e Jesus eram um sinal de que Cristo havia nascido. Ela foi um guia para os Reis Magos, que vieram do Oriente para visitar Jesus. Os reis chegaram a Jerusalém dizendo que tinham escutado sobre o nascimento do menino Jesus e queriam visitá-lo. Então alguém falou, secretamente que uma estrela estava seguindo-os desde o Orientee que iria indicar o caminho. Quando os Reis Magos voltaram para a estrada, logo apareceu a estrela brilhante com cauda e eles a seguiram. Ela parou na direção acima do Estábulo e os Reis Magos conseguiram achar o Menino Jesus.Ninguém ficou sabendo desse código secreto que foi revelado só para os Reis Magos. Naquela época, os romanos governavam toda a região chamada Judéia, onde ficavam Jerusalém e Belém entre outras cidades. O rei era Herodes, que não havia gostado nem um pouco da idéia de que o povo estava esperando um novo rei, que seria o Rei dos Judeus como ficou conhecido Jesus.

ENTENDENDO A ESTRELA DE BELÉM…

  • A estrela de Belém, como ficou conhecido o astro que guiou os Reis Magos poderia ser uma Supernova ou a Conjunção tríplice de planetas.Quem diz isso é a professora Rosângela Perdiz Simões, do Projeto CEU. Segundo a professora Rosângela, Supernova é um tipo de estrela que de repente adquire brilho intenso e se torna visível até durante o dia. A Supernova é uma estrela explosiva e o brilho indica que ela está morrendo. Uma parte da matéria dela é lançada no espaço e, muito tempo depois, junto com outros materiais forma novos sistemas solares. Conjunção tríplice é a aproximação visual de dois planetas, num espaço de tempo pequeno, parecendo que eles se encostam. A professora Rosângela explica que Kepler, um cientista antigo, descobriu que seis anos antes do nascimento de  Cristo houve a conjunção tríplice de Saturno e Júpiter seguida da explosão de uma Supernova. Portanto, essa seria a estrela de Belém que, apesar de ser representada com cauda, não era um cometa.

LENDAS …

  • Árvore de Natal: Dizem que ela apareceu nos países frios, porque no Hemisfério Norte é inverno durante o Natal e os dias são escuros.Então os moradores enfeitam as árvores da frente  de casa com lâmpadas.Uma outra lenda conta que, perto de onde Cristo nasceu, havia uma oliveira que ofereceu azeitona ao menino recém-nascido, uma tamareira que deu tãmaras e um pinheirinho que não tinha nada para dar. Então as estrelas ficaram  com pena e desceram do céu, pensando nos galhos  do pinheirinho para serem oferecidas como presente ao menino Jesus.
  • Papai Noel : Papai Noel é a figura mais conhecida do Natal. Ele existe há mais de 1.500 anos e muita gente já inventou histórias sobre ele. Uma delas é que o Papai Noel é um santo chamado São Nicolau, muito bom e que dava presentes aos pobres. Até cerca de 70 anos atrás, as pessoas imaginavam Papai Noel  como um homem alto e magro com roupas coloridas. Mas, em 1931, o desenhista sueco Haddon Sundblom criou uma propaganda para a Coca Cola  e o Papai Noel foi vestido de vermelho e branco, com cinto e botas pretas e um ar de vovozinho bondoso. As pessoas gostaram e ele ficou assim, como conta Mark Pendergrast, no seu livro A História Não- Autorizada Do Maior dos Refrigerantes e Da Companhia  Que o Produz. Papai Noel é figura universal, quer dizer, é conhecido  no mundo inteiro. Ele veste roupas de frio por que todos dizem que mora no Pólo Norte.

INDICAÇÕES DE LIVROS PARA AS CRIANÇAS

  • O Presentão (Kuarup)
  • A História do Menino Jesus (Ao Livro Técnico)
  • Véspera de Natal ( Cruzeiro)
  • Sou uma Criança como você (Ed. Paulinas)
  • O Nascimento de Jesus( Coleção Paraíso da Criança III- Edelbra)

Observação: Estes e muitos outros livros abordam o Natal( Através de suas lendas ou da história do Nascimento de Jesus), mas sem dúvida, nenhum livro substitui a “ Bíblia“. Hoje, existem várias edições para crianças.

TEATRO DE FANTOCHES

  • Material: Casinha de fantoches, fantoches ( Papai Noel, vovó, menina, nenê, papai, mamãe, burro, coelho,vovô, Mestre André), instrumentos ( chocalhos, tambor, pandeiros,  guizos e triângulos).

 História:

Narrador:  Todos sabemos que o Natal é uma das datas mais esperadas pelas crianças do mundo inteiro.Neste dia todos se abraçam ( 2 fantoches surgem se abraçando, depois mais um). Mesmo  quem viveu o ano todo brigando, no Natal faz as pazes, E Papai Noel é que passa sérios  apuros nessa época.Em um lugar muito distante daqui o velhinho fica pensando no que dará para as crianças. (Papai Noel surge e diz):

Papai Noel: Puxa Vida, o que darei para as crianças do mundo todo?( e anda de um lado para o outro)

Narrador: Mas ele foi perguntar para os seus amigos do que as crianças gostariam de ganhar.Perguntou ao Burro:

Papai Noel: Burrinho amigo,  o que você acha que as crianças gostariam de ganhar?

Burrinho :  Acho que elas querem ser mais inteligentes do que eu…

Papai Noel: Não, amigo, coisas que eu possa dar!

Burrinho: Ih Noel, eu sou Burro, não sei !

Papai Noel: Oras, vejam só…Será que o coelho sabe? Coelho amigo, o que  você acha que as crianças gostariam de   ganhar no natal ?

Coelho: Acho que as meninas gostariam de ganhar bonecas e os meninos carrinhos.

Papai Noel: Ah Coelho, mas isso eu dou todos os anos! Eu queria algo que fizesse com que todas as crianças se entendessem.

Coelho: Por que, elas estão brigando ?

Papai Noel: Não, que todas as crianças brasileiras falassem com as  crianças  dos outros países!…

Coelho: Ah, Noel você está é biruta!

(Papai Noel fica sozinho): mas será que isso é impossível? (sai)

Narrador: Enquanto isso, as crianças se preparam para a chegada de Papai Noel na Véspera do Natal.

(Menina e Bebê)

Menina:Você já colocou a sua meia para Papai Noel?

Bebê:Claro,  coloco ela todos os dias, tenho frio nos pés.

Menina: Esta meia não, a do  Papai Noel.

Bebê: Xi, esqueci, vou pegar.(Saem).

Narrador: E nas ruas,ouvem-se crianças cantando ( Botei meu sapatinho…). Nas casas mamães e papais estão preocupados.

Papai: Ouvi dizer que Papai Noel está triste e não sabe o que dar para as crianças.

Mamãe: Se ele não vier, as crianças vão ficar muito tristes!

( Puseram -se a chorar): – Buá…

Narrador: Em casa, Papai Noel pergunta à vovó( Mamãe)Noel:

Papai Noel: O que darei às crianças?

Mamãe Noel: Porque você não vai a loja do Mestre André?

Papai Noel: Boa Idéia, você merece um beijo!( beija a mamãe noel)

Narrador: Na loja do Mestre André existem todos os brinquedos que existem no mundo.Papai Noel e Mamãe Noel foram até la.

Papai Noel: Mestre André, o que eu poderia dar para as crianças?

Mestre André: Uma vassoura, que tal ?

Papai Noel: Não,Mestre, eles já tem.

Mamãe Noel: Então…uma  bola, um avião, um…

Papai Noel: Mestre, eu quero algo que faça com que as crianças de todo mundo se entendam.

Mestre André: (coçando a cabeça) ficou dificil…mas, e se você desse instrumentos musicais?

Papai Noel: Instru…o que?

Mestre André: Tambor,pandeiro, chocalho…

Papai Noel: Sim, todas se entenderiam( saem abraçados,felizes).

Narrador: Chega o Natal, ninguém esperava ganhar instrumentos.Todos gostaram e se puseram a tocar e cantar juntos

Música: Papai Noel ( Melodia : “hoje a noite é bela…”)

Fim: Todos ficaram muito felizes. As crianças não ficaram tristes por que Papai Noel veio e puseram-se a cantar músicas de Natal ( Pinheirinho e outras).

PRESÉPIO VIVO

Narrador: Há quase dois mil anos, passou-se a história mais linda de que se tem notícia.Em uma cidade muito distante daqui, chamada Belém,nasceu em um berço muito pobre, coberto de palha, um menino-Deus que veio ao mundo para deixar a mais bonita das mensagens – a mensagem do amor.

Esta é Maria, uma moça muito boa  que vivia naquela época e a qual aconteceu uma coisa maravilhosa.

Anjo: Maria, és muito boa e por isso, foste escolhida por Deus para ser a a mãe de um menino que virá ensinar que todos devem se amar como irmãos. O nome dessa criança  será Jesus.

Maria: Estou muito feliz por isso, e farei tudo como Deus quiser.

Narrador: Maria casou-se com um bom homem, José e quando o menino Jesus  estava para nascer, eles procuraram um lugar onde a criança pudessem nascer.

(cena muda): José e Maria batem em 3 portas: todas se fecham – as pessoas balançam a cabeça negativamente e nenhuma porta se abre. Os dois vão tristemente para um pobre presépio, onde dormem os animais, pois Maria já  não se sentia bem.

Coral: ” Noite Feliz ( canto)

Narrador: Quando Jesus nasceu, uma estrela no céu apontou para o Presépio, para mostrar a todas as pessoas que ali tinha nascido o Menino- Deus.Sabendo do nascimento, 3  reis: Gaspar,Belchior e Baltazar,levararam   presentes. Um deu ouro, o outro incenso, e o outro Mirra.E depois, muitas outras pessoas, umas ricas, outras pobres,foram visitar e presentear o menino Jesus.

Vamos pois, parar por uns instantes e falar a este Deus- Criança:

Senhor, ensina-me a seguir teus passos.

Sê meu monitor,meu guia, meu chefe.

Meu conselheiro,meu amigo, para que eu possa realizar meu ideal.

Dá-me luz para minha inteligência,

Força para minha vontade,bondade para meu coração.

Então, o Natal terá  significado para mim

Porque o Natal é o meu encontro Contigoe com os meus irmãos.

CANTOS DE NATAL

  • Noite Feliz
  • Sinos de Belém
  • Pinheirinhos
  • Papai Noel ( hoje a noite é bela)
  • Natal da Turma da Monica
  • Botei meu Sapatinho
  • Quero    ver  você não chorar
  • Novo Tempo
  • Bate o Sino

OUTRAS SUGESTÕES:

  • Cartinhas para Papai Noel: texto coletivo ou individul feito na sala de aula para entrega ao Papai Noel em sua vinda à  Escola.
  • Cartões de Natal : Muitas são as técnicas que podem ser utilizadas, desde o desenho com lápis de cor ou giz de cera.Primeiramente deve-se planejar com as crianças como estes serão feitos;se em cartolina ou papel sulfite,se em Creative Paper ou Papel também reciclado, porém confeccionado pelas crianças( Obs>a Escola dispõe  de todos os materiais para essa atividade de reciclagem e ela é extremamente educativa, tendo em vista o desperdício   que o Homem está acostumado a promover e a necessidade de uma educação ambiental para a preservação e uso de adequado  da matéria-prima. Quanto menos o homem reciclar e mais consumir papel,mais árvores serão derrubadas.Sugestão como material de apoio para essa atividade:  “O livro do Papel”- Ed.Melhoramentos.

Sugestões de algumas técnicas que poderão ser utilizados nos cartões ou em atividades diversas:

  • Mosaico:picar papéis  coloridos para compor figuras como um sino, uma árvore de Natal, uma bota…
  • Vitral:sobre um fundo  de papel celofane colorido, pode-se desenhar à parte ou pesquisar figura em revista ou cartões de natal antigos ou mesmo figuras mimeografada e  esta figura( sugestão:uma mãe com uma criança), deverá  ser colada sobre o vitral.
  • Árvore de Galho: Pedir às crianças  individualmente ou fazer uma única para enfeitar a classe.Pintar o galho de branco.Colocar em lata ou pote com terra,ou pedras para não tombar.As crianças, além da pintura do galho e recolher a terra, farão enfeites, que poderão ser de sucata ou de papel, até mesmo de desenhos das crianças pintadas e recortados ou rodados em mimeógrafo( tomar cuidado para em caso de desenho ou modelo, rodar duplo para que os dois lados fiquem enfeitados).Pode-se colocar algodões,festãod e papel laminado cortado em franjas e torcido,etc.
  • Quadrinho: Sobre uma base de papel fantasia ou laminado, dobrar como para o “saci” e colocar na ponta do capuz algodão, barba de algodão,ou papel sulfite cortado em franjas e com a borda enrolada como fitilho. O rosto do Noel é desenhado, se quiser pode-se  colar lantejoulas nos olhos.
  • Presépio em Maquete: Após contar história de livrinho sobre o o nascimento de Jesus, convidar  as crianças a   fazerem os elementos do presépio em massinha,argila, mateiriais de sucata, mato, areia, pedrinhas e outros.Lembrando que as figuras humanas ficam mais fáceis da criança fazer a partir de bolinhas de massa ou  argila.O presépio pode ser feito não só sobre cartão, madeira ou isopor,como também dentro de caixa de sapato (fica como uma gruta e pode-se colocar em cima a Estrela de Belém).
  • Anjo de Natal para Parede: Fazer do tamanho desejado,dobradura de dois pedaços ou folha inteira de laminado,tudo sanfonado;uma das sanfonas,dobrar ao meio para servir como braços. A outra, deixar inteira para ser o corpo..Montar em “T”  as sanfonas e no  alto do corpo, colocar um círculo de cartolina que a criança deve ser desenhado com o rosto do anjo. Sugestão: lã no cabelinho.
  • Árvore para Porta : Em base de cartolina recortada em forma de árvore, as crianças poderão colar lacinhos de macarrão, forminhas,lantejoulas,enfeites desenhados a partee recortados e colados na árvore,pequenas bolinhas de isopor,etc. Plasticolor com cotonete ou simplesmente pinguinhos também fica muito bonito,assim como pipocas “de verdade” ou bolinhas de crepom.
  • Vela para  mesa: Para as crianças pode-se fazer com tubinho   do papel higienico. A parte de cima é fechada com sulfite ou cartolina.A criança encpa o tubinho com tira de laminadoda cor desejada, enrolando e colando.A chama é feita em laminado duplo e com base virada, para colar na cartolina ou sulfite.Para fazer o “choro” da vela, colar pequenas bolinhas de isopor . Colocar a vela sobre a tampa de Achocolatado. ou manteiga ou margarina,  bandeja de isopor.Jogar nessa base de papel pinado colorido  ou festão laminado torcido, bolinhas de massinha ou frutinhas de massinha(ou papel),etc.
  • Móbile de Natal: Papai Noel confeccionado em triângulos de cartolina e preso(2 carinhas por móbile), em barbantes ou fio amarrado a palito de churrasquinho.Pode-se fazer com outros motivos, com: Bota,bolas,pinheirinho…

Concluindo…

Estas são apenas algumas sugestões.Cada professor tem outras tiradas da sua experiência e que seria interessante, trocasse com os colegas.Quaisquer dúvidas quanto às sugestões da apostila,consultar a C.P. Os livros para crianças citados estão na escola. A Escola tem C.DS e fitas com músicas de natal.

Apostila organizada por Kátia Derito Ramos

O NATAL E A ORIGEM DO PRESÉPIO

Era o ano de 1223. Noite de Natal.São Francisco de Assis reuniu campesinos e montanheses de Greccio, povoado de Rieti, para cerebrar ao vivo e quase ao natural, sob a cintilar das estrelas e da resplandecente luz de dezenas de tochas,entre a mula e o boi e sobre a relva de um presépio, os mistérios augustosda Santa Noite de Natal.São Francisco de Assis desejava que todos se transportassem em espírito ao próprio Belém,  onde nasceu o Salvador, o Cristo – Jesus Menino.

À meia noite começou a celebração dos divinos ofícios.Ao Evangelho, São Francisco pregou um sermão adaptado à ocasião,exaltando  o nascimento   de Jesus.

Tal era a sua emoção que os que estavam  presentes sentiam-se envolvidos pelo mesmo sentimento e,conta São Boaventura,” que um homem chamado Giovani afirmou ter visto naquela noite,recostado no presépio sobre a espessura das palhas, um lindo e delicado menino, que São Francisco tomava nos braços e parecia cobri-lo de beijos e  carícias”.

São Francisco de Assis é, pois considerado o pioneiro da representação do Presépio.

Extraido : Agenda do Professor – Célia Passos  e  Zuneide de Silva – Ed.Nacional

PROBLEMATIZANDO AS BRINCADEIRAS E APRENDENDO MATEMÁTICA DESDE A EDUCAÇÃO INFANTIL

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

A professora Renata Bittencourt Paiva socializou em reunião, o curso de Matemática, que participou. Ofereceu a todas as colegas a apostila que postaremos para que auxilie outros professores em seu trabalho.

“PROBLEMATIZANDO AS BRINCADEIRAS E APRENDENDO MATEMÁTICA DESDE A EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES AO NOSSO ALCANCE.”

Roberta D’Angela Menduni Bortoloti

UESB- Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

robertamenduni@yahoo.com.br

Que a matemática ainda é uma disciplina tida como vilã por muitas pessoas não é novidade alguma. O depoimento, de pessoas que cursam Pedagogia, com relação à matemática, em sua grande maioria, não é empolgante.Entretanto, para parte dessas pessoas, pode ser novidade uma proposta metodológica que vise desmitificar a matemática, começando com crianças tão pequenas. Pode também ser uma descoberta a utilização de recursos tão natural e simples para desenvolver a construção de conceitos matemáticos, como o de número, com as brincadeiras infantis.

O que apresentaremos nesse encontro se baseia na proposta das autoras Katia Cristina Stocco Smole, Maria Ignez Diniz e Patricia Candido ( 2000a), que nos apontam uma metodologia para trabalhar a matemática, utilizando a problematização na realização das brincadeiras.Também nos baseamos em Kamii (1995) que nos alerta para uma formação em que o aluno precisa ser sujeito do processo ensino-aprendizagem.E nesse caso, isso pode acontecer quando temos como objetivo a construção, por parte dos alunos, da autonomia. E, como ao ensinar, matemática na educação infantil, podemos proporcionar à construção dessa autonomia?Nessa proposta que acreditamos e defendemos, um dos caminhos é o ensino através da Resolução de Problemas. Entretanto, poderiamos questionar: como crianças tão pequenas, que ainda não lêem e não escrevem poderiam resolver problemas? Não teriam elas que dominar conceitos numéricos ou ter um conhecimento prévio sobre as operações e sinais matemáticos?

Segundo Smole, Diniz e Candido (2000b,p.18) essas crenças precisam ser evitadas, pois:…em vez de pensarmos sobre os problemas como sendo desta ou daquela operação, deveriamos considerá-los como perguntas que as crianças tentam responder pensando por si mesmas. Dessa forma, não se exige nada além das capacidades naturais que toda criança tem que se encantar por desafios.

Então, enquanto professora de metodologia e conteúdo de matemática na UESB, do curso de Pedagogia – argumento que devemos ousar e experimentar novas maneiras de explorar o conhecimento. Assim, eu e a turma (setimo semestre), durante o estágio da educação infantil (disciplina concomitante com a que eu ministro) resolvemos experimentar essa ousadia problematizando algumas brincadeiras .Este desafio tomou a forma de um pequeno projeto de intervenção que se justificou pela necessidade de inserir a pesquisa nas atividades dos alunos, visto que a formação do professor está pautada na investigação e confere-lhe um fazer pedagógico reflexivo. Além disso, por apresentar uma metodologia em que aprender matemática é também brincar, pois trabalhamos com o aluno de corpo inteiro e não somente com a cabeça, que precisa raciocinar para resolver as atividades propostas.

Pretendemos neste mini-curso apresentar a proposta das autoras destacando como deve estar organizado o espaço e o ambiente da sala de aula para o desenvolvimento desta perspectiva metodológica. Discutir por que brincar, quais relações existem entre as brincadeiras e o ensino de matemática e quais são essas brincadeiras.Além disso, como podemos registrar as soluções dadas pelas crianças, quais as funções dos registros e que tipo de avaliação estes nos permitem fazer.

Pretendemos ainda, fazer uma sondagem com o grupo no que diz respeito às brincadeiras que eles realizam com seus alunos, por que fazem, com quais objetivos e o que exploram especificamente sobre a matemática.A partir daí, investigar o que podemos desenvolver com as seguintes brincadeiras: amarelinha ( caracol, orelha, amarelinha inglesa e da semana);bola de gude (círculo, triângulo e estrela);e bola ( boliche e queimada) . Interessante destacar que se torna bastante diferente o discurso das pessoas que vivenciam a brincadeira, pois muitas vezes faz tempo que não se posicionam como jogadores, como no exemplo da bolinha de gude. Ou, por não conhecerem a brincadeira, como é o caso da amarelinha também chamada de orelha, pois as regras são diferentes, o jeito de se posicionar os pés fogem ao tradicional e isso confunde um pouco. Situação esta muitas vezes experimentada pela criança quando começa a aprender a brincadeira. Sendo assim, pretendemos realizar algumas dessas brincadeiras, pois temos como objetivos vivenciar situações práticas, na perspectiva de discutir principios básicos para o “ensino” da matemática;possibilitar na realização das brincadeiras, a construção de um recurso pedagógico;analisar o papel da Resolução de Problemas e a sua contribuição para o ensino de matemática.

Apresentando a proposta

É importante destacar porque estamos trazendo as brincadeiras para as aulas de matemática.

1º- porque todos nós brincamos e lembramos disso, na maioria das vezes, com grande satisfação. A brincadeira nos dá prazer, e quando não, nos desfia a continuar, tentar mais uma vez, não desistir . 2º- como afirmam as autoras:

Brincar exige troca, de pontos de vista, o que leva a criança a observar os acontecimentos sob várias perspectivas, pois sozinha ela pode dizer e fazer o que quizer[…]mas, um grupo, diante de outras pessoas, percebe que deve pensar aquilo que vai dizer, que vai fazer, para que possa ser compreendida( SMOLE, DINIZ, CÂNDIDO,2000a, p.14).

Isso pode ser vivido em uma aula de matemática que tem como eixoa problematização, entendida como uma situação que permita algum questionamento ou investigação.3º- trabalhamos com todo o corpo, pois por muitos anos idealizamos que na aula de matemática o silêncio tinha que reinar e a fala deveria ser somente do professor. Nesta proposta, o trabalho pode ocorrer em grupo, onde a resposta “certa” não parte somente do professor, nem tão pouco se encontra somente um caminho para a solução. Sendo assim , a comunicação tem um papel fundamental, pois será através dela que o aluno irá propor soluções, dar sua opinião, expressar sua idéia. 4º – as brincadeiras também proporcionam o desenvolvimento da noção do espaço, bem como :perto/longe;parte/todo;dentro/fora;pequeno/grande;baixo/alto e do pensar aritmético, respectivamente:

[…]é uma oportunidade para perceber distâncias, desenvolver noções de velocidade, duração, tempo, força, altura e fazer estimativas […] enquanto isso  a criança pode ser incentivada a fazer contagem;comparação de quantidades, identificar algarismos, adicionar pontos que fez durante a brincadeira[…]( SMOLE , DINIZ, CÂNDIDO, 2000a, p.16).

Para o desenvolvimento desta proposta é necessário um planejamento, conhecer o que os alunos já sabem a respeito da brincadeira, conversar ou propor a brincadeira na sala de aula, ambiente em que estão mais habituados a estarem, pois na quadra, por exemplo, pode haver distração.Só levar as crianças para o ambiente em que a brincadeira vai se realizar, quando todos já tiverem entendido o que vão fazer naquele local. Começar a brincadeira da variação mais simples até as mais complicadas e não fazê-la em uma única aula ou dia. Vivencia-las com certa freqüência proporcionará : ao aluno, uma maior percepção da brincadeira ;ao professor, uma avaliação mais detalhada do desenvolvimento dos alunos através dos registros. Por isso, é recomendável que depois da brincadeira peça aos alunos para registrarem o que entenderam da brincadeira ou , a solução para a situação-problema.Os registros podem surgir de forma oral;textual ou pictórica(desenhos).Quando a brincadeira e o registro da mesma são feitos mais vezes, o aluno e o professor podem acompanhar esse desenvolvimento, ou seja, o que o aluno percebeu e assim desenhou em seu registro que da primeira vez ainda não o tinha feito. Que noções espaciais foram agora percebidas, quantas vezes ele terá que somar os pontos que fez, já que a brincadeira durou toda a semana? Ou ainda, como recomeçar a brincadeira na outra sala?Como saber onde cada aluno parou no jogo ou brincadeira?Utilizando algum tipo de registro podemos comunicar a idéia.Em conformidade com as autoras, o registro “[…]faz com que os alunos reflitam sobre suas ações e permite ao professor perceber se eles observaram, aprenderam e se apropriaram dos aspectos mais relevantes que foram estabelecidos como metas ao se planejar a brincadeira escolhida”(SMOLE,DINIZ e CÂNDIDO, 2000a,p.17). Queremos ressaltar que problema é aqui entendido por situação que a principio não sabemos como resolvê-la. Resolução de Problemas é uma perspectiva metodológica para desenvolver conceitos matemáticos.E, propor a Resolução de Problemas na Educação Infantil é “um espaço para comunicar idéias. pelo fazer colocações, investigar relações, adquirir confiança em suas capacidades de aprendizagem.É um momento para desenvolver noções, procedimentos e atitudes frente ao conhecimento matemático”(SMOLE, DINIZ e CÂNDIDO, 2000b, p.19). Temos no desenho ( uma forma de registro) a comunicação do pensamento a outras pessoas. Segundo as autoras (2000b), o desenho pode assumir duas funções: a de interpretação do problema e a de representação da solução. Passemos então, a alguns exemplos de trabalhos desenvolvidos pelos alunos, destacando o registro das crianças, os caminhos para solucionar o problema e sua relevância para avaliar o processo de ensino-aprendizagem.

Fazendo um diálogo entre a prática investigativa e a pedagógica

Depois de sorteada a brincadeira, em duplas, os alunos tinham que investigar o que as crianças já sabiam sobre a mesma. A partir daí, problematizar a brincadeira e registrar o que e como as crianças fizeram para solucionar a situação. Nesta proposta, as autoras (2000a) entendem a problematização como uma situação que permita algum questionamento ou investigação. Após  executar a brincadeira (não necessariamente apenas uma vez), os alunos pediram às crianças que fizessem o registro e por fim, que analisassem os mesmos.

Brincando com as gudes

A intervenção aconteceu em dois dias e foi realizada pelos alunos Elza Francisco Santos e Marison Souza Barbosa(alunos do curso de Pedagogia que já exercem o magistério) com 15 crianças de 6 a 7 anos de uma escola municipal de Jequié. Iniciaram, apresentando a brincadeira na variação triângulo e círculo. A maioria já conhecia. Partiram para a quadra a fim de iniciarem a brincadeira. Problematização 1- Como vamos dividir os grupos? Enquanto discutiam a questão, outra criança já desenhava 4 triângulos no chão, então perceberam que poderiam fazer grupos menores. Foram separando uma criança para cada triângulo, formando 3 grupos de 4 e um grupo de 3 . Problematização 2 – A gude vai dar para todos os grupos?Uma das crianças colocou 3 gudes em cada triângulo e distribuiu uma bolinha para cada jogador. Ao Chegar no 12º percebeu que 3 jogadores ficariam sem gudes. Problematização 3- O que fazer para resolver a questão? uma criança respondeu: “eles brincam depois que a gente terminar!”.Os alunos-professores insistiram em outra forma para a solução e “sugeriram” desfazer um triângulo para que cada criança ficasse com uma bolinha e todos pudessem jogar.Durante a brincadeira foi observado que não havia dificuldades em obedecer às regras, mas impaciência para esperar sua vez. Duas crianças não conseguiram tirar nenhuma gude, o que demonstrou a necessidade em se trabalhar mais a coordenação motora deles.Então o grupo parou o jogo e resolveu ensinar alguns critérios para atingir a bolinha:força, direção e a visualização da posição da gude. Percebe-se com esta situação a prática de um dos princípios de ensino apontado por Kamii (1995):Encorajar a criança a trocar idéias com seus colegas.

No outro dia, pedimos à criança que contassem as bolinhas e formassem os círculos. Problematização 4- Quantos círculos poderemos formar, se temos 38 bolinhas, 14  jogadores e cada círculo precisa ter 13 gudes? Fizeram o 1º e o 2º círculos e colocaram as 13 gudes em cada. Perguntamos se daria para formar o 3º círculo. Sem contar, uma criança respondeu:”não , porque se não a gente vai ficar sem gude”. Aqui, encontramos mais uma princípio discutido por Kamii ( 1995): Encorajar a criança a pensar sobre número e quantidades de objetos quando estes sejam significativos para elas. A contagem se deu de maneira significativa, a criança estabeleceu comparações com o número de pessoas e a quantidade de bolinhas que ainda restavam para serem distribuidas. Outro princípio : Encorajar a criança a quantificar objetos logicamente e a comparar conjuntos ( em vez de encorajá-las a contar) .

As crianças começaram a distribuir as gudes para os jogadores, quando chegou no 12º a gude acabou.Problematização 5 – O que faremos para que esses dois possam participar? Um deles foi em cada círculo e tirou uma gude e deu para os colegas que estavam faltando.Além de estimular a contagem, a classificação e a comparação, esta brincadeira também entendida como jogo de alvo, favorece ” […] os jogadores a elaborar estratégias de arremesso e desenvolver a destreza e precisão de movimentos[…]a criança tem que se preocupar com as variações de direção, quantidade de força e variações de resultados”.(SMOLE, DINIZ e CÂNDIDO, 2000a,p.35). Um tipo de registro para essa brincadeira pode ser visto na figura 1. Outros serão mostrados serão mostrados no mini-curso.

Brincando com a bola através do boliche

Esta intervenção foi realizada pelas alunas Silvia Regina Gomes de Oliveira e Terezinha Santana Pereira (alunas do curso de Pedagogia que já exercem o magistério)com crianças de 4 a 5 anos do povoado Fazenda Velha do munícipio de Jequié.

Na rodinha(figura2), foi explicado que as garrafas pet trazidas pelas crianças seriam utilizadas na brincadeira. Utilizaram 10 garrafas que foram arrumadas no formato V  e cada cor tinha uma pontuação: a garrafa verde – 1 ponto e a branca (transparente) – 2 pontos. Durante a brincadeira a pontuação foi registrada em um cartaz (figura 3)e ao término, voltaram à rodinha. A problematização ocorreu através das seguintes perguntas: como a brincadeira foi organizada, qual o aluno conseguiu derrubar mais garrafas, e o segundo? Quantas garrafas foram derrubadas por Laura, quantos pontos ela fez, quantos pontos marcou ao todo no cartaz?Depois foi pedido que registrassem a brincadeira por meio do desenho. Podemos perceber no desenho de Laura (figura 4) e a delimitação do espaço, quando separou por um traçoo lugar das garrafas ( na forma de V, que mais pareceu um U )e o lugar das crianças que vão arremessar a bola. Além da contagem , da comparação de quantidades, da escrita do numeral, da soma envolvida,”[…] as brincadeiras com bola auxiliam no desenvolvimento de habilidades como noção de espaço, tempo, direção, sentido, identificação e comparação de formas geométricas[…]“(SMOLE, DINIZ e CÂNDIDO, 2000a, p.44).

Brincando com a amarelinha

A intervenção foi realizada pelas alunas Daniela Vidal e Lucilla Soledade(alunas do curso de Pedagogia) com crianças de 4 anos da pré-escola Caic do Município de Jequié.

Além dos diversos nomes que a amarelinha pode ter (sapata,nmacaca, jogo de pedrinha etc.), contamos também com a variação do traçado no chão e a mudança nas regras. Segundo Kamii (1991,p.78-79) a amarelinha:

1.É um jogo de participação paralela que estimula a comparação.2.Os jogadores não jogam ao mesmo tempo. As comparações são feitas em momentos diferentes e podem estimular a anotação gráfica do desempenho de cada um para a comparação posterior.3. O jogo exige que se pesquise e se descubra a quantidade de força a ser usada ao jogar a pedra para alcançar o alvo.Assim como ao lançar o próprio corpo […].

Conforme Kamii nos fala (1991) há uma complexidade ao brincar de amarelinha, pois são muitas tarefas ao mesmo tempo para coordenar: quando pular com um pé só, com os dois, quando retirar a pedrinha, prestar atenção para não pisar na linha, saber a seqüência que se deve pular…Isso foi constatado pelas alunas que desenvolveram a atividade, pois Ayala, é uma das poucas crianças que já consegue alternar os pulos com um pé só ou com os dois.Já, Patricia como a maioria não consegue pular com um pé e não respeita a casa que contém a pedra (giz).Destacamos que são muitas as formas de brincar com a amarelinha e uma possível problematização seria: a composição de um texto( no caso, escrito pelo professor) das regras desta brincadeira. Além de proporcionar o desenvolvimento da comunicação oral alguns conceitos e habilidades do pensamento matemático estão envolvidos neste jogo: “noções de números, medidas e geometria .Contagem, seqüência numérica, reconhecimento de algarismos, comparação de quantidades, avaliação de distâncias, de força, localização espacial, percepção espacial e discriminação visual[…]” (SMOLE, DINIZ e CÂNDIDO, 2000a, p.22).

O jogo das sete cobras.

A intervenção foi realizada pelas alunas Juliana Brandão Costa e Ábia Maria de Souza(alunas do curso de Pedagogia que já exercem o magistério) com 18 crianças de 4 anos de uma escola municipal de Jequié. O jogo foi realizado nos dias 16, 27, 29 e 30 de novembro e 04 de dezembro. É composto por uma folha( para cada aluno) contendo a escrita dos seguintes numerais 2,3,4,5,6,8,9,10,11,12 e dois dados. As crianças jogam os dois dados e somam os numerais, circulam o resultado numérico na folha que foi entregue . Entretanto, não existe o numeral sete para ser circulado, então quem tirar sete desenha uma cobra. O jogo teve estratégias modificadas, pois as crianças se empolgaram  tanto com o desenhar da cobra que na regra inicial, perdia quem tivesse  mais cobras. Neste, ganhavam quem tivesse o número maior de cobras. Com este jogo, tinhamos como objetivo: fazer adição de números até 12;identificar os numerais até 12;trabalhar com a escrita dos numerais e socializar as idéias, os pensamentos e os cálculos que elas faziam.

Esta parte foi desenvolvida nos dias 16 e 27 de novembro. No 3º dia foi feito um cartaz com o resultado do jogo (figura5). A criança teria que escrever os numerais que ela tirou nos dados e desenhar a quantidade de cobras feitas.No 4º dia trabalhou-se na rodinha analisando o cartaz e propondo as seguintes problematizações :qual a posição o dado deve cair para desenhar a cobra?;para dar o resultado cinco, como devem estar os dados?quais numerais aparecem na atividade?Por que na atividade não aparece o numeral 1?Quem desenhou mais cobras?

Os dados foram levados para a rodinha e as crianças ao manuseá-los, puderam responder aos questionamentos.A maioria nao conseguiu abstrair . Foi então necessário trabalhar o 5º dia com uma atividade mais específica (figura 06) em que as crianças tinham que desenhar a quantidade correta para chegar nos numerais apresentados. Na rodinha, de quatro em quatro alunos e utilizando os dados, pôde-se perceber as reais dificuldades e quem conseguia fazer a contagem corretamente, quem identifica os numerais, quem conseguia somar e representar as quantidades.Essas observações que o professor faz, nada mais são do que uma avaliação desses alunos. Abaixo está um relato da aluna-professora que desenvolveu a atividade:

Pode-se concluir que a atividade precisa realmente ser aplicada em diversas etapas, pois mexer com quantidades é cansativo para as crianças de quatro anos, pois tem um tempo de concentração menor em relação às crianças mais velhas. Também é uma atividade que oferece desafios em diversos níveis, podendo o professor trabalhar com alunos em diferentes etapas do desenvolvimento cognitivo(Juliana,2006).

Algumas considerações

As brincadeiras que aqui foram apresentadas não esgotam o repertório que cada professor, aluno conhecem. Destacamos estas por terem feito parte, da maioria, de nossa infância, até sendo um momento de resgate das brincadeiras infantis e também por serem as brincadeiras apresentadas na proposta mencionada acima. Com exceção da última, que foi apresentada pelas alunas citadas. Nosso objetivo principal é propor brincadeiras que possibilitem questionamentos, investigações, ou seja, a problematização. A importância de saberes teóricos e metodológicos sobre o ensino da matemática permite a construção de uma base de conhecimentos, habilidades e atitudes, que possam refletir de forma positiva, em processos de ensino-aprendizagem posteriores.

Freire(1996) nos fundamenta em uma nova postura educacional quando destaca que ensinar não é transferir conhecimentos, e sim criar possibilidades para a sua construção. Se entendermos que não se ensina matemática através da transferência de conhecimentos, começando pelos alunos mais novos, estaremos re-significando o que é ensinar e aprender matemática. O que possibilitará, para este professor, uma nova concepção sobre a matemática e também uma mudança em sua postura, que poderá ser refletida em atitudes positivas, em relação a matemática para esses alunos.

Referências Bibliográficas:

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia,saberes necessários à prática educativa.SP: Editora Paz e Terra,1996.

KAMII,C. A criança e o número :implicações educacionais da teoria de Piaget para a atuação junto a escolares de 4 a 6 anos. 20ª ed. Campinas,SP:Papirus,1995

KAMII, Constance e DEVRIES Rheta. Jogos em grupo na Educação Infantil:implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória  Cultural, 1991.

SMOLE, Katia  Stocco;DINIZ, Maria  Ignez e CÂNDIDO,Patricia.Brincadeiras Infantis nas aulas de Matemática.Porto Alegre: Artes Médicas, 2000a.

Resolução de Problemas. Vol.2. Porto Alegre : Artes Médicas Sul, 2000b.

Sabemos que as crianças possuem necessidades distintas entre si, por isso não podemos fornecer “receitas mágicas”para o ensino de matemática, mas podemos oferecer sugestões de atividades que podem ser recriadas e modificadas, de acordo com a realidade em que está sendo trabalhada. Segue então algumas possibilidades:

  • Pedir que a criança desfoque-se em um espaço delimitado imitando o andar de vários animais: sapo e canguru, cachorro, macaco, pato ,etc.
  • Jogo do trânsito > Recortar três cartões nas cores verdes, amarela e vermelha.Os alunos se deslocam no pátio de acordo com a cor dos cartões : verde – correr ;amarelo-andar;vermelho- parar.
  • O que está faltando? Divide-se a sala em dois times. Todos deverão observar atentamente os objetos da sala. Um integrante de cada time sai da sala e um objeto é escondido. Ao regressarem, deverão descobrir qual objeto está faltando.
  • O fantasma: É escolhido um aluno, que sairá da sala, e uma criança é coberta com um lençol. Ao retornar, o aluno terá que descobrir, observando atentamente os colegas, quem é o “fantasma”. Revezam-se as crianças até que todos que queiram tenham participado. Como variação desse jogo todos sentam em roda, um aluno sai da sala e dois trocam de lugar. Ao retornar terá que descobrir quem trocou de lugar.
  • Colar em uma folha de sulfite uma figura de revista na qual falte uma parte, como, por exemplo, metade de um relógio, a cabeça ou o meio corpo de uma pessoa, etc. A criança deverá completar a figura, desenhando. Uma variação para essa atividade é colar uma figura completa na folha de sulfite, imaginar um cenário relativo àquela figura e desenhá-lo.
  • Aumenta-aumenta: Prender ou segurar uma corda pelas extremidades, de forma que fique bem esticada e a uma pequena distância do chão. As crianças irão pular corda, que será levantada a cada passagem.Quando esta ficar muito alta para ser pulada, as crianças poderão passar por baixo. A corda também pode ser colocada mais alta e abaixada a cada passagem, quando terão que rastejar. Aproveitar para verbalizar a situação: Dá para pular? Por que ? E agora, vocês  conseguem pular? A corda está alta ou baixa?
  • Derrube a pilha: Empilhar objetos diversos, com latas e caixas, variando a quantidade e a altura. Combina-se previamente quantas jogadas com a bola cada aluno poderá fazer para derrubar a pilha com a bola.Usar objetos em questão para fazer a torre mais alta possível.
  • Não pode cair: Os próprios alunos poderão encher usas bexigas, e deverão estar em um lugar amplo que facilite a movimentação. A um sinal do professor, as crianças deverão bater com a mão na bexiga tentando mantê-la no ar o maior tempo possívels em que esta toque o solo.Em um segundo momento, o professor poderá variar os comandos, como: bater a bexiga bem alto, a bexiga voará baixo ficandoperto de sua mão etc.
  • Propor experiências com alturas- Medir e comparar a altura de diferentes pessoas e objetos, através do olhar ou da utilização de instrumentos de medida, convencionais ou não.
  • Brincadeiras do robô: Construir um percurso com várias opções de deslocamento, usando os materiais disponíveis : cordas, sacos de areia, bambolês,mesas, cadeiras, colchões,etc. Uma criança será o robô, e o professor (ou outra criança) terá o “controle remoto”: Siga em frente, pare, vire à direita, pule vire à esquerda etc. Invertem-se papéis.
  • Formar um “trem” usando formas geométricas que se repetem, como nestes exemplos com blocos lógicos: um quadrado pequeno azul, dois retângulos grandes vermelhos, um triângulo pequeno amarelo, um quadrado azul, dois retângulos grandes vermelhos.
  • Vou viajar, o que vou falar – a criança que iniciará a brincadeira dirá, por exemplo: “Vou viajar e vou levar na mala uma blusa”. A segunda diz :”vou viajar e vou levar uma blusa e uma calça”. A terceira criança repete o que as duas disseram e acrescenta mais um item.Quando a quantidade de objetos se torna muito extensa, a brincadeira recomeça com novos itens. A mesma atividade poderá ser realizada com outros temas como: “Fui ao Supermercado e comprei…”,”Hoje no almoço eu comi…” ou “Fui ao Zoológico e vi…” para facilitar, poderá haver apoio do visual dos objetos em questão.
  • Pedir que a criança passe a bola de uma mão à outra ou segure a bola com a mão e passe-a para as costas pegando-a com a outra mão, passando para frente novamente.Inverter o sentido.
  • Pular o rio: duas cordas, paralelas uma à outra, formando um rio que será pulado e alargado progressivamente.
  • Quantificar por estimativa: reunir alguns objetos em cima de uma mesa dentro de um pote transparente e tentar advinhar quantos objetos há. Conferir o  resultado por meio de contagem.
  • Fazer um numeral em tamanho grande no chão da sala de aula ou no pátio, usando uma fita adesiva colorida, fita crepe, iz de lousa ou mesmo de tijolo, para que a criança caminhe em cima dele no sentido do movimento.
  • Desenhar uma figura geométrica na cartolina e colar areia em seu contorno, deixando secar bem. De olhos fechados, a criança passará o dedo, sentindo o contorno da forma.
  • Amarrar um barbante no bico da bexiga e segurar na ponta.Dar um puxão e bater repetidas vezes na bexiga, executando um movimentode vaivém.

Algumas Considerações

As brincadeiras sugeridas não são as únicas para conseguirmos que as crianças construam seus conhecimentos matemáticos,mas com certeza,a partir delas, o professor tem a oportunidade de elaborar inúmeras possibilidades de atividades lúdicas que exploram um trabalho com a matemática.

FORMAÇÃO DE COORDENADORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Pauta:

  • OFICINA DE LINGUAGEM MÚSICAL E EXPRESSÃO CORPORAL
  • TEXTO: É HORA DE ORGANIZAR A ROTINA
  • AVALIAÇÃO

1- Canção :” Abra a roda tin do lê lê – para organizarmos um círculo.

2- Canção de acolhida:

  • Ola…
  • Bom dia… que bom que você veio gosto muito de você!

3- Canção da Acolhida

  • Oi, bom dia/ boa tarde como vai você?
  • Meu amigo como é bom te ver,
  • Palma, palma (3x)
  • Agora um abraço do coração!

4- Apresentação das coordenadoras:

Sentadas no chão, perna de índio. Marcaremos 4 tempos, sendo 2 nas pernas e 2 com estalos /palmas( poderemos levantar e marcar 2 tempos com palmas e 2 com os pés) Falaremos a fruta preferida, bebida preferida, a comida preferida.

5- Leitura do texto ” Infância é assim…”

  • Infância é assim…
  • Sentir cheiro de terra molhada
  • Pensar em ter uma fada amada,
  • É escrever o mundo numa rabiscada
  • Soltar pipas no céu azul
  • É sonhar acordado
  • É ler o mundo nas bolinhas de sabão
  • Lavar as mãos, correr e pô-las no coração
  • É fazer da linha do tempo
  • Um dia a ser, sem fim
  • É ser e estar sempre
  • Jogar água no rosto,
  • Caminhar na chuva descalço
  • É fazer do espaço e do tempo infinitos…
  • Infância é assim…

( Edson Amário)

6- Reflexão:

O que você lembra da sua relação com a música na infância?Como foi seu primeiro contato? Quem cantava para você? O que cantava?

7- Socialização no grupo ( livre)

8- Questionamentos:

Como é o formato da família atual?Quem canta para as crianças? O que canta? As mamães e vovós do mundo morderno.

A tradição musical, a cultura popular estão desaparecendo ( colocar a questão das letras das nossas canções).

9- Práticas:

  • Explorando o espaço – Música  – Telma Chan
  • Caminhar livremente na ponta dos pés, calcanhar, como sapinho, cavalo, de 2 em 2, como um elefante, como uma formiguinha, etc.

10- Abra a roda Tin do lê lê – para organizar a roda outra vez.

11- Propriedades dos sons:

  • Reconhecendo o timbre do instrumento ou objeto sonoro:

Canção Senhor Caçador,Senhor Caçador, preste bem atenção, não vá se enganar quando o gato miar o miau.Mia Gato!( fazer o ruído com o objeto sonoro ou tocar o instrumento)

  • Percebendo sons agudos e graves:

Utilizar 2 instrumentos : ao ouvir o instrumento agudo todos imitarão o gatinho, e ao ouvir o instrumento grave todos imitarão o leão, ou ainda, poderão caminhar em direção a figura do gatinho e do leão.

  • Discriminando sons fortes e fracos:

Movimento de abaixar e levantar ( não fazer sempre dessa forma, para que a criança não crie uma associação entre forte e fraco/ embaixo e em ecima).

  • Duração do Som: rápido e devagar( associar aos animais)

Obs:Mostrar a figura do animal do qual estamos falando, falar um pouco sobre ele ( “este nasceu de dentro da barriga da mamãe e toma leitinho quando bebê” ou “sua mamãe põe ovos e ele come folhinhas”)

12- Brinquedos cantados e canções:

Com Movimentos e expressão corporal.

Até que as crianças dominem a fala, deverão apreciar músicas que façam movimentos inspirados nas letras das músicas.

  • Jacaré – eu vi, eu vi, um jacaré, será que ele queria, comer o meu pé?
  • Formiguinha – Formiguinha da roça endoideceu, com uma dor de cabeça que lhe deu, aí pobre, pobre formiguinha, põe a mão na cabeça e faz assim, assim.
  • O macaquinho – O macaquinho faz assim, o macaquinho faz assim, olha aqui seu macaquinho e faça tudo direitinho ( o sapinho, o cachorrinho, o cavalinho, etc).
  • Pela rua abaixo- pela rua abaixo, vai dona formiguinha, uma mão na testa e a outra na barriga.

13- Com percussão Corporal:

Obs: É muito importante exercitar, além de mãos e pés, os músculos da face, fazendo todos os ruídos possíveis. Estes músculos devem ser fortes pois são utilizados no processo da fala.

  • Palminhas – Palminhas, palminhas, nós vamos bater, depois as mãozinhas pra trás esconder.( Bem leve,bem forte,de um lado pro outro,para cima pra baixo, pra frente pra trás)
  • Palma, palma, palma,palma,palma, palma, pé, pé, pé,roda,roda, roda, caranguejo peixe é.
  • Bochecha – Beatriz olhou pra cá, Beatriz olhou pra lá, quando viu o Zé Bochecha começou a bochechar.( Começou a beijar, começou a estalar).Substituir o nome da criança.

14- Mais brinquedos:

  •  Den Dem, seu bispo tem pato, marreco, peru também.
  • Toque, toque, toque, vamos pra S.Roque, ver o menininho que vem vindo de galope.
  • Serra aqui, serra ali, lenhador e carpinteiro, serra aqui, serra ali, serra o topo do pinheiro.
  • Serra, serra, serrador, serra o papo do vovô, o vovô está cansado, deixa a serra descansar.

15- Movimentos de Locomoção:

  • Dandá-  dandá, dandá, dandá pra ganhar papá.
  • O sapinho: Salta, salta o sapinho,salta pula, pula lá no brejo até se cansar.
  • Garibaldi foi à missa: Garibaldi foi à missa,num cavalo sem espora, o cavalo tropeçou, Garibaldi pulou fora, Garibaldi foi à missa, num cavalo alazão, o cavalo tropeçou, Garibaldi foi pro chão!

16- Parlendas

Nosso folclore tem um grande número de parlendas, rimas e brincadeiras infantis, usadas para sortear jogadores, brincar de contar dedinhos, fazer cócegas, contar botões, as crianças acompanham batendo mãos e pés, marchando, rodando, balançando o corpo e se abraçando.

  • Hoje é domingo
  • Cadê o toucinho que estava aqui
  • 1, 2 feijão com arroz

17- Versinhos

  • Canção da Peneira – passa a peneira menino(a) vem peneirar, diga um verso com rima quando a peneira parar:peneira, peneira a passar, peneira, peneira, quando a peneira parar – aí a professora diz um versinho.
  • Entrei na roda – aí,eu entrei na roda, ai eu entrei na roda dança, eu não sei como se dança, eu não sei dançar – a Professora diz um versinho.

18- Fórmulas de Escolha –

Pode-se  colocar as mãos fechadas para o centro da roda, ou pode-se ainda tocar na criança.

  • Lá em cima do Piano
  • Fiz xixi na canequinha
  • Uma pulga na balança
  • Uni, duni, tê
  • Tigelinha de água fria

19- Mais Canções

  • Sai piaba- Sai, sai sai piaba, saia da lagoa;
  • põe uma mão na cabeça, pões a mão na cintura, dá um remelexo no corpo, dá um abraço no amigo.
  • Caminho de Viseu – Indo eu, indo eu, a caminho de Viseu, encontrei o meu amor, aí Jesus que lá vou eu,ora truz, truz, truz,ora traz, traz,traz.ora chega, chega, chega, ora arreda lá pra tráz.
  • Anel da pedra verde: Eu perdi o meu anel no buraco da parede, quem achar me trás de volta meu anel de pedra verde,ora de frente,pra frente,ora de tras para tras.
  • O Cacau – Subi no tronco, comi cacau, joguei os caroços pro Seu Nicolau(2x),ai, ai ,ai iô,iô isso é machabomba não é vapor(2x) Corre minha gente, já vai chuviscar,cacau na barcaça não pode molhar(2x)ai ai ai ioiô, isso é machabomba não é vapor(2x)
  • De Abóbora faz melão – De abóbora faz melão , de melão faz melancia(2x)faz doce sinhá,faz doce,sinhá,faz doce sinha Maria (2x) quem quiser aprender a dançar, vai na casa do juquinha(2x)ele pula, ele roda, ele faz requebradinha(2x).

20- Acalantos:

  • O anel – Perdi o meu anel no mar, não pude mais encontrar, o mar trouxe a concha de presente pra me dar ou foi pra goela da baleia, ou foi pro dedo da sereia, ou quem sabe foi o pescador que encontrou o meu anel e deu pro seu amor.
  • Tutu Marambá – Tutu Marambá, nao venha mais cá,que o pai da criança que te manda pegar.
  • Boi da Cara Preta – Boi, boi boi, boi da cara preta, pega esse menino que tem medo de careta.

Arranjos instrumentais para esta faixa etária:

Proposta: em grupos, as educadoras escolhem uma canção e fazem um pequeno arranjo.

21- Avaliação:

O que sentiram?

Cantaremos a canção do “Anel” e finalizaremos com uma música para relaxamento final.

Texto oferecido as coordenadoras na capacitação pela Seduc.

A IMPORTÂNCIA DA MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

A IMPORTÂNCIA DA MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Introdução

Brincando a criança relaciona-se com o mundo e faz música. Com sua curiosidade e sempre pronta a aprender ela pesquisa novos sons,descobre instrumentos, cria e ouve com prazer. Portanto, apreciar uma música, descobrir novas canções, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos despertam, estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical, propiciando vivência de elementos estruturais dessa linguagem.

Trabalhar a linguagem musical, mais especificamente, o brinquedo cantado, objetos sonoros, percussão corporal e de sucata no cotidiano da criança, estimulando seu desenvolvimento global e atendendo suas necessidades de expressão ( nas tarefas afetiva, estética e cognitiva) são algumas das contribuições da linguagem musical na educação infantil.

Faz-se importante a conscientização do educador na utilização da música como mais uma ferramenta no processo de aprendizagem e desenvolvimento infantil, proporcionando  prazer, entretenimento, cultura, socialização e conhecimentos, explorados de forma interdisciplinar, trabalhando conceitos de forma significativa.

Como proporcionar à criança o desenvolvimento da linguagem musical incluindo seus diversos benefícios para o crescimento humano? Como contribuir para a formação de platéias? Como despertar na criança o interesse por apresentações artísticas de forma prazeirosa?

 Uso da música

A música é uma ciência, é arte, é física e matemática tendo o poder de estimular o movimento interno e externo no homem, impulsionando-o à ação e promovendo uma multiplicidade de condutas de diferente qualidade e grau.

A música vem sendo utilizada desde os primórdios da civilização em datas como nascimento, casamento, morte, recuperação de doenças e fertilidade. Na Grécia Antiga seu ensino era obrigatório. Pitágoras demonstrou que uma sequência correta de sons poderia mudar os padrões de comportamento e acelerar o processo de cura. Com o desenvolvimento da sociedade passou a ser utilizada em louvor a líderes.

Musicalização

O trabalho de musicalização desenvolve a sensibilidade, a criatividade, o senso rítmico, o equilíbrio, o prazer de ouvir música, a imaginação, a memória, a concentração, a atenção, a autodisciplina, a socialização e a afetividade, contribuindo ainda para a consciência corporal e espacial.

A inteligência musical é, segundo Gardner uma das múltiplas inteligências, mas podemos refletir sobre a música e seu papel na educação tomando um outro viés. A música influência o homem física e mentalmente; contribui com a aprendizagem, favorecendo o desenvolvimento cognitivo/linguístico psicomotor,e sócio-afetivo.

No desenvolvimento cognitivo/linguístico – vem aguçar a acuídade auditiva; com gestos e danças desenvolve a coordenação motora, espacial e atenção; com o canto e por imitação descobre suas capacitades e estabelece relações com o ambiente.

No desenvolvimento psicomotor- aprimora a habilidade motora. O ritmo tem papel importante na formação e equilíbrio do sistema nervoso. Atividades como cantar fazendo gestos, dançar, bater palmas e pés. são experiências importantes para o processo de aquisição da leitura e da escrita.

No desenvolvimento socioafetivo – contribui para a formação de identidade. Aceitamos nossas capacidades e limitações favorecendo a socialização, estimulando a compreensão, participação e cooperação desenvolvendo o conceito de grupo.

É preciso estimular a escuta para que se desenvolva a capacidade auditiva, atenção, concentração e capacidade de análise e seleção de sons.

A música é um bem cultural e é obrigação da escola promover o acesso a essa linguagem artística.

Papel da música na Educação

Além dos efeitos já conhecidos e mais evidentes podemos selecionar a música e o conteúdo a ser trabalhando. Pode-se estudá-la como conteúdo, matéria em si, como linguagem artística, forma de expressão e bem cultural. A  escola deve ampliar o conhecimento musical do aluno, oportunizando   a convivência com diferentes gêneros musicais, apresentando novos estilos, proporcionando uma análise reflexiva do que lhe é apresentando, perimitndo que este se torne um ser mais sensível e crítico.

Através da vivência e compreensão da linguagem musical propiciamos a abertura de canais sensoriais, facilitando a expressão de emoções , ampliando cultura geral é contribuindo para a formação integral do ser.

Aliando música e movimento, utilizando dança e expressão corporal podemos contribuir para que crianças em situação difícil na escola possam se adaptar (adaptação psicomotora, debilidade psicomotora, instabilidade psicomotora).

Considerações

Somos sujeito de nossa própria história.

Somos passado, presente e…futuro.

Pensamos que a escola ideal é aquela que dá oportunidade…

Portanto, se nos detivermos nos empecilhos, na falta de material sonoro, no espaço, que por vezes é inadequado, nada acontecerá. Mas, se pensarmos no prazer que temos ao elaborar e ” fazer ” música e nos benefícios que ela nos traz, jamais deixaremos de trabalhá-la na primeira infância.

Nossa luta é para que isso tenha contínuidade até o final de todos os nossos dias. Dessa forma estaremos construindo nossa história em perfeita harmonia de modo que nossos alunos sejam mais felizes, pois teremos o riso estampado no rosto de cada criança, pai e educador, que certamente cantarão, juntos, todas as melodias em uníssono, regidos por uma mesma batuta.

“Um povo que sabe cantar está a um passo da felicidade. É preciso ensinar o mundo inteiro a cantar” – Villa Lobos

Bibliografia:

BRITO, Teca Alencar de – Música na Educação Infantil.

GAINZA,Violenta Hemzy – Pedagogia musical : dos decaddas de pensamientos y accion educativa junto com La  Im provisacion Musical.

OBS: Apostila oferecida pela Seduc para a formação de Coordenadores Pedagógicos  da Educação Infantil.

SONS DIVERTIDOS E LETRAMENTO

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Uma aula muito divertida e completa aconteceu no Infantil V”A”,profª Silvia Maria do Nascimento (18/02/2010).A Roda de Conversa sobre o Tema Animais diversos foi sequenciada com a leitura do livro encantador oferecido pela Seduc de nome “Sons Divertidos”.O livro possui dobraduras como uma das formas ilustrativas e que encantam a todos.Após a leitura de cada página, foi passado aos alunos para que manipulassem e pudessem participar da história sonorizando divertidamente.

A faixa etária trabalhada em questão  foi de 4 a 5 anos com a participação de todos.

Objetivos:

  • Entreter as crianças despertando o interesse pela leitura
  • Aumentar o vocabulário.
  • Proporcionar através do momento, amplo conhecimento sobre diversas espécies da zona rural e seus aspectos físicos.
  • Relacionar a vida na zona rural e  urbana .

Atividade oferecida: Questionar que animais são encontrados na zona rural  e quais são encontrados na zona urbana de conhecimento do grupo,relacionando,comparando aos personagens.

  • Relacionar a história contada à musicas infantis conhecidas como : “Seu Lobato tinha um sítio”.

 Atividade oferecida: Cantar > ” Seu Lobato tinha um sítio,ia ia Ô/ no sítio tinha um __________(dizer o nome do personagem da história contada)ia,ia ô….era ____ (som do bicho)pra cá,era _____ pra lá…era ___ pra todo lado,ia ia Ô.

  • Perceber diversos sons como forma de comunicação através da imitação dos sons emitidos pelos animais :

Atividade oferecida:cada criança escolhe um personagem da história e só conversará com o colega na roda através do som escolhido”

  • Desenvolver a plasticidade e expressão corporal:

Atividade oferecida: Imitar o animal escolhido,andando ou saltando como ele pela classe.

  • Perceber o processo de letramento :

Atividade oferecida: Mostrar através do livro,lousa ou folha de sulfite com caneta ou giz a grafia correta dos nomes indicados pelos alunos de animais encontrados na história, destacando as vogais e consoantes e a importância delas para a formação de palavras.Escrever o nome de cada aluno ao lado o personagem para que percebam a inclusão das letras dos personagens (se existentes)aos seus com mais uma forma de auxílio no processo de letramento.

EX> BODE – JOÃO PEDRO

  • Perceber valores: Auxililo,compreensão,solidariedade e a importância da participação e colaboração de  cada indivíduo para o sucesso pessoal e do grupo.
  • Perceber quantidades relacionando aos numerais:

Atividade oferecida: Em conversa questionar quantos animais são personagens,quantas são as partes do corpo dos animais como patas,olhos,boca,chifres etc.

  • Desenvolver a sua coordenação motora:

Atividade oferecida: desenhar no chão uma cobra com bem ondulada e riscando em seu interior formando uma amarelinha  para que saltem ou simplesmente percorram através de sua linha sinuosa.

Atividade oferecida: Propor desenhar os animais dando oportunidade de que cada um escolha o seu personagem ( caso sejam pequenos demais,a professora poderá fazer o desenho para que pintem )em cartolina,papel cartão ou sulfite, oferecer giz de cera ,tinta ou lápis de cor para a construção de fantoches (colar palito de sorvete ou churrasco no verso)

Outras opções:

  1. Máscaras dos personagens da história contada para uma divertida dramatização.
  2. Dobraduras dos animais da forma encontrada no livro.

BINGO – CONSTRUÇÃO DA LEITURA

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Com o objetivo de auxiliar no processo de alfabetização  colocamos aqui as sílabas para que seja possível a realização do Bingo .Dessa forma divertida, a criança poderá entender mais facilmente o mecanismo da leitura. Palavras simples com 2 ou 3 sílabas poderão estar em cartelas que de acordo com o sorteio poderão ser preenchidas.Essa atividade poderá ser realizada na escola, em casa com a família reforçando o conteúdo da sala de aula.

A principio, essas sílabas poderão também servir para trabalhar o ALFABETO MÓVEL .A criança poderá formar com as sílabas palavras simples e de fácil leitura.

SÍLABAS DO ALFABETO

BA BE BI BO BU
CA CE CI CI CU
DA DE DI DO DU
FA FE FI FO FU
GA GE GI GO GU
JA JE JI JO JU
LA LE LI LO LU
MA ME MI MO MU
NA NE NI NO NU
PA PE PI PO PU
RA RE RI RO RU
SA SE SI SO SU
TA TE TI TO TU
VA VE VI VO VU
XA XE XI XO XU
ZA ZE ZI ZO ZU
         
KA KE KI KO KU
YA YE   YO YU
WA WE WI WO WU
         

 CARTELAS

Essas cartelas poderão ser substituídas por outras variando o vocabulário

BOLA

SAPATO

SINO

TAPETE

COPA

CINEMA

PAPO

TOMADA

FOGO

JOGADA

SOPA

CABIDE

MOLA

MACACO

MEDO

NOVELO

SETE

SOPAPO

FOCA

FELINO

Tagged with: , , , , ,

JOGO DE PALAVRAS

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Neste período costumeiramente é trabalhado o folclore nas escolas.Aqui alguns jogos que poderá ser utilizado para desenvolver a habilidade verbal e rapidez mental.

1. Telefone sem fio

Objetivo: Desenvolver a atenção para ouvir o outro,respeitando a vez.

Devemos organizar os jogadores em fila,um ao lado do outro.Pede-se que o primeiro aluno diga uma mensagem,e diga ao ouvido do jogador seguinte e este repassará ao seguinte procurando repetir  o que ouviu o mais baixo possível.Quando o último receber a mensagem,o primeiro diz a frase e o último diz o que compreendeu depois ter passado por todos.

2.Advinha o que eu vi…

Objetivo: promover a curiosidade desenvolvendo a capacidade verbal e de abstração.

Escolher uma criança,para ser questionado pelos demais.Essa criança escolhe um objeto,um animal ou uma pessoa.As outras crianças fazem perguntas, uma de cada vez,e este responde “sim ” ou “não”.Quem descobrir passa a ocupar seu lugar e escolher novo objeto ou qualquer outro tema.

3.Do cargueiro veio…

Objetivo:desenvolver a linguagem, vocabulário e criatividade.

A criança diz em voz alta: “Do cargueiro veio um saco de laranjas”.A próxima criança deve dizer o nome de outra fruta, ou que comece com a letra L,dependendo do que for combinado antes.Quando não souber é eliminado da brincadeira.O último aluno inicia com nova opção.

4.Viajando com letras.

Objetivo: reforçar o alfabeto,memorizar letras associando às palavras e objetos encotrados.

A criança fala um letra e diz: alguma coisa que comece com a letra B…os demais deverão encontrar pelo caminho coisas com aquela letra.O  vencedor é aquele que mais coisas encontrar acertadamente.

5.Continue depois de mim…

Objetivo: Desenvolver o vocabulário e a memória .

A primeira criança diz uma palavra qualquer como ex: anel. A segunda criança deverá dizer uma palavra que comece pela última letra da palavra dita no caso do nosso exemplo l = lápis, em seguida, a terceira criança deverá dizer uma palavra com a letra s (última letra de lápis) e assim por diante até a ultima criança do grupo.

6.Sem o Sim e Sem o Não

Objetivo: desenvolver a concentração e memória.

Combinar as palavras que não podem dizer durante a partida: SIM e Não.A partir daí cada jogador tenta fazer com que o outro diga as palavras proibidas,fazendo perguntas diversas, e o primeiro que disser as palavras probidas perderá.

7. Palavras Sequênciadas.

Objetivo: Desenvolver a memória e a concentração.

Combinar com o grupo a ordem de jogo.O primeiro dirá a primeira palavra por ex:bola.O segundo deverá dizer “bola” mais a palavra dita por ele.O terceiro jogador deverá repetir as duas palavras anteriores e acrescentar a dele.O jogo acaba quando não restar ninguém para memorizar todas as palavras seriadas.

8.Criar frases malucas

Objetivo: desenvolver a criatividade percebendo a linguagem escrita e oral.

O grupo determina quem inicia.Diante disso a primeira criança dirá a palavra qualquer e o segundo dá a continuidade até a ultima criança.Todos lerão a frase em conjunto.

9.Se eu fosse…

Objetivo: desenvolver a criatividade e a linguagem.

O grupo combina quem iniciará e terminar.Todos deverão participar sem se tornarem repetitivos.O primeiro dirá como ex: “se eu fosse um cachorrinho teria muitos amigos.” – Cada criança terá liberdade para falar o que deseja até que a última termine o jogo.

10. Eu vou viajar e na minha mala tem…

Objetivo: perceber as iniciais da palavra.

A primeira criança dirá a frase : eu vou viajar e na minha mala tem uma escova .A segunda criança deverá dizer um outro objeto que comece com e e assim por diante , o primeiro dirá sim ou nao, certo ou errado,até que as demais entendam que o que ele quer é a incial e em cada objeto,os demais deverão advinhar.É possível que na próxima jogada um participante diga, na minha mala tem…tangerina e queira se referir a frutas.

SUBSÍDIOS PARA TRABALHAR FOLCLORE

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Do inglês: FOLK = POVO

LORE = SABEDORIA, CONHECIMENTO.

A palavra Folclores foi inventada pelo inglês Willian Thomas , que escreveu FOLK -LORE em uma carta dirigida à revista THE  ATHENEUM, de Londres. O termo folk-lore foi então usado para designar o onjunto de usos,costumes, crenças, lendas, festas, brinquedos, cerimônias, superstições, refrãos e outras manifestações do povo, que passam de geração para geração.

O Folclore é comemorado em todo o mundo no dia 22 de agosto, porque foi neste dia, no ano de 1846, que citada carta de William Thomas foi publicada.

Percebemos que o Folclore reflete a própria cultura de povo e é mais conhecido quanto mais se valoriza as experiências de suas populações mais idosas. O Folclore não é algo terminado, está sendo criando no nosso dia-a-dia, também.

O  Folclore abrange, portanto, a linguagem, as músicas e danças, os usos e costumes, crendices e superstições, artesanato, brinquedos e literatura.

De acordo com a região, existem modos  de falar próprios, tais como: UAI( MG ), OXENTE,PADIM,BICHINHO,MADINHA (NORDESTE), BARBARIDADE TCHÊ, PIÁ GURIA, ARROIO, LANCHERIA ( SUL).

As anedotas e gírias,  bem como os provérbios e parlendas, também são elementos folclóricos.

Exemplos de provérbios:

  • “Pobre quando tira a mão do bolso é saem os cinco dedos”
  • “Casa de ferreiro, espeto de pau”.
  • Cuidado com o andor, que o santo é de barro.”
  • “Mais vale um pássaro na mão do que dois voando”.
  • “Praga de urubu magro não mata  cavalo gordo”.
  • “Em terra de cego quem tem um olho é  rei “.
  • “Água mole em pedra dura tanto bate até que fura”
  • “Quem tem padrinho não morre pagão”.

Entre outras parlendas, temos :

  • Fui no cemitério/tério(3x), era meia noite/noite( 3x),tinha uma caveira/veira(3x),era vagabunda/bunda(3x).
  • Um,dois,feijão com arroz/três, quatro,feijão no prato/cinco,seis, no fim do mês/ sete, oito, comer biscoito/nove e dez, comer pastéis/onze, doze comer pão doce.

Quanto à música  e as danças, temos instrumentos musicais como o berimbau, tamborim, a dança do Bumba-meu-boi, Congada, Samba, Marcatu e outra.

Exemplos de usos e costumes  na alimentação :

  • churrasco(RS)
  • feijoada(SP)
  •  vatapá (BA)
  • Pato de   Tucupi(PA)
  •  feijão  tropeiro (MG) entre outros.

Crendices/Superstições:

  •  Passar por baixo de escada dá azar.
  • Vassoura atrás da porta espanta visita chata.
  • Bolsa  no chão, dinheiro some.
  • Sonhar com dente, parente morre.
  • Comer uma grama do campo antes do jogo traz sorte ao jogador.
  • Contar carneirinhos antes de dormir   faz o sono vir.
  • Quebrar espelho traz 7 anos de azar.
  • Coceira na mão é sinal de dinheiro.
  • Caiu uma colher, visita de mulher.
  • Gato preto e sexta- feira 13 é sinal de mau agouro.

Artesanato:

  • Peças de cerâmica
  • Cestaria.
  • Rendas (como as do Ceará).
  • Bordados ( como as bordadeiras do Morro Nova Cintra).
  • Arquitetura.
  • Almofadas de Bilro.

Brinquedos:

  • Pipa
  • Bilboquê
  • Bolha de sabão.
  • Pião.
  • Peteca.
  • Bolinha de Gude.
  • Boliche.
  • Pé-de-lata.
  • Saquinho de areia.
  • Corrida do Saci.
  • Viva o Bandô.
  • Passa anel.
  • Brincadeiras de Roda ( ciranda cirandinha, Tango Morena,Carneirinho Carneirão, Caranguejo…).
  • Vivo/ Morto.
  • Gosta desse?
  • Lenço atrás ( corre cotia)
  • Seu rei mandou.
  • Serpente.
  • Queimada.
  • Pega Pega.
  • Esconde Esconde.
  • Pula corda.
  • Amarelinha.
  • Caracol.
  • Estátua.
  • Cabo de Guerra.
  • Telefone sem fio.
  • Bambolê.
  • Barra Manteiga.
  • Coelho sai da Toca.
  • Cama de Gato.
  • Elástico ( pular).
  • Carrinho de mão.
  • Mana Mula.
  • Cabra Cega.
  • Jogo da  Velha.
  • Bonecas de Pano.

Exemplos de Brincadeiras de roda:

 CARANGUEJO:

Caranguejo não é peixe/caranguejo peixe é/caranguejo não é peixe,na vazante da maré.

Palma,Palma, Palma, Pé,Pé,Pé, Roda,Roda, Roda, Caranguejo peixe é.

Caranguejo não é peixe/caranguejo peixe é/caranguejo só é peixe na enchente da maré.

TEREZINHA DE JESUS:

Terezinha de Jesus/ de uma queda foi ao chão/ acudiram 3 cavalheiros/ todos 3 chapéu na mão.

O primeiro foi seu pai / o segundo seu irmão/o terceiro foi aquele que Tereza deu a mão.

Terezinha de Jesus/ levantou- se lá do chão/e sorrindo disse ao noivo: “eu te dou meu coração”/

Da laranja quero um gomo/do limão quero um pedaço/do……..quero um beijo/e do ….um abraço.

CIRANDA CIRANDINHA

Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar/ Vamos dar a meia volta, volta e meia vamos dar.

O anel que tu me deste/ era vidro e se quebrou/ o amor que tu me tinha/ era pouco e se acabou.

Ciranda, cirandinha,vamos todos cirandar /vamos ver a …….. que já está pra se casar/

Por isso ……………./faz favor de entrar na roda/diga um verso bem bonito/diga adeus e vá-se embora.

NA BAHIA TEM:

Na Bahia tem/ tem, tem, tem/na Bahia tem, oh morena/ coco de vintém/

Na Bahia tem/já mandei comprar/na Bahia tem, oh morena/ ferro de engomar.

Na Bahia tem/ já mandei buscar/ na Bahia tem, oh morena /fole de soprar.

TANGO MORENA:

Tango, tango, tango morena, é de carrapicho/vamos botar…na lata do lixo.(Continuar com outras crianças indo para o lixo).

A CANOA VIROU:

A canoa virou/foi deixado ela virar/ foi por causa do …………que não soube remar/

Vira pra cá,vira pra lá…..é velho e não quer casar.

Variação: 

A canoa virou/foi deixado ela virar/ foi por causa do …………que não soube remar/

ah se eu fosse um peixinho e soubesse nadar/ eu tirava……lá do fundo do mar.

CARNEIRINHO  CARNEIRÃO :

Carneirinho, carneirão,neirão, neirão/ olhaí pro céu , olhaí pro chão,pro chão, pro chão…

Manda el Rei, Nosso  Senhor, Senhor, Senhor, para todos se ajoelharem

( repete  tudo até a próxima ordem: “para todos se levantarem”, “para todos se sentarem” e por último, “para todos se deitarem”.

Outras canções, (brinquedos cantados):

Atirei o pau no gato- to/ mas o gato-to / não morreu/D.Chica-ca/ “dimirou-se”-se/ do berrô/do berrô/que o gato deu! miau!!!

Sugestão: (não mais do folclore,mas para educar, que o gato, como todo animal, não deve apanhar:

Não atire o pau no gato-to/porque isso não se faz,faz,faz/ o gatinho-nho é nosso amigo-go/não devemos maltratar os animais/ miau!!!

ou Parte II:

Fui dar parte na polícia-cia/ e a polícia-cia/ me prendeu-deu,deu/D.Chica-ca “dimirou-se”-se/ do berrô, do berrô que o gato deu, Miau!!!

PIRULITO :

Pirulito que bate bate/pirulito que já bateu/Quem gosta de mim é ela/quem gosta dela sou eu/

Pirulito que bate bate/pirulito que já bateu/A menina que eu amava/Coitadinha já morreu.

EU FUI NO ITORORÓ:

Eu fui no Itororó/beber água e não achei/achei bela morena/que no Itororó  deixei/

Aproveite minha gente/que uma noite não é nada/ se não dormir agora/dormirá de madrugada/

Óh Mariazinha, ó Mariazinha/ entre nessa roda/ou ficará sozinha/

Sozinha eu não fico/ nem hei de ficar/ porque eu tenho o…/para ser meu par.

PEIXE VIVO:

Como pode um peixe vivo/viver fora da água fria?(bis)

Como poderei viver(bis)

Sem a tua, sem a tua/ sem a tua companhia (bis)

Os pastores desta aldeia/já me fazem zombaria(bis)

Por me verem assim chorando (bis)

Sem a tua, sem a tua/ sem a tua companhia(bis)

Quanto à Literatura: temos várias lendas, histórias transmitidas oralmente pelo povo através das gerações (muitas foram escritas ou colocadas em cantos), os desafios ( músicas improvisadas, feitas na hora), etc.

Exemplos de lendas e criaturas fantásticas:

  •  Pererê
  • Curupira
  • Lobisomem
  • Mula-sem-cabeça
  • Homem do Saco
  • Lenda do Uirapuru
  • Lenda da Mandioca
  • Lenda da Vitória Régia.

SACI- PERERÊ:

Em todo o Brasil correm histórias sobre o saci-pererê. Ele é pretinho e tem uma perna só.Parece um moleque de uns doze anos.Seus lábios e olhos são vermelhos como uma brasa.

O saci gosta de fumar cachimbo e usa um gorro vermelho. O saci tem a mão furada para deixar cair as brasas do cachimbo.Tem três dedos no pé. Seu assobio é agudo e estridente.

Ele pula, faz mil caretas, vira cambalhotas e rodopia.

E, num veloz rodamoinho, zupt…desaparece soltando cheiro de enxofre. O saci é muito arteiro!

Nos sítios e nas fazendas, espanta os animais,bate nos cachorros, estraga as plantações.

Dá nós na cauda e enrosca a crina dos cavalos.

Nas casas, o saci também se diverte. Esconde as tesouras, os martelos e outras coisas. Quebra a ponta das agulhas, embaralha a lã dos novelos,azeda o leite e outras tranquinagens.

Depois se esconde,espia e dá risada do desespero das pessoas.

Eta moleque capeta: ” (Maria Fernanda Antunes, o Saci, S.P. , FTD)

*Texto transcrito de “Festa das Palavras” 2, FTD.

FOLCLORE REGIONAL

Muitas lendas e costumes que estudamos ou conhecemos são de outras regiões ou do interior, até porque temos a idéia errônea que o folclore é coisa cultivada por gente atrasada ou caipira, mas festejar o folclore é uma das maneiras de lembrar as raízes da cultura popular e em última análise, entender o povo, seus valores morais,sua história…

Em Santos temos uma lenda que se eternizou através da cantiga “Fui no Itororó”. Trata-se  da Fonte do Itororó, que existia no sopé do Monte Serrah, perto do início da escadaria. Durante séculos ela foi procurada por causa de sua água límpida, que brotava da rocha. Essa bica era uma das que servia o povo ( Santos não tinha serviço de abastecimento de água. Era também um local onde as pessoas conversavam, se encontravam e até alguns se encontravam para flertar. Diziam, conta a lenda, que quem bebesse de sua água, não deixaria mais a cidade. A água já não brota mais da rocha.Além disso, a Prefeitura chegou inclusive a urbanizá-la. Mas a fonte ficou eternizada nos versos da cantiga.

Em Peruíbe existe uma lenda o Abarebebê ( Abare-Bebê é uma palavra indígena que significa padre voador). Foi dada ao Jesuíta Leonardo Nunes, porque ele andava muito depressa, subindo e descendo a Serra do Mar. O jesuíta morava num convento em Itanhaém,  na divisa com Peruíbe. As ruínas deste convento são conhecidas como Abarebebê. Diz a lenda sobre o local que os Jesuítas enterraram um tesouro no local e que na data da morte do padre, todo ano, as ruínas ficam iluminadas. É o conhecido “Milagre das luzes”. Na realidade, provavelmente sejam vaga-lumes. Mas os antigos dizem que nessas noites vê-se  as paredes do convento e o padre Leonardo Nunes rezando no altar.

Lembremos ainda, que festas populares também são manifestações folclóricas, como as Quermesses, A Procissão a São Pedro com a benção dos anzóis, o Carnaval, o Banho da Dona Dorotéia, a Festa de Iemanjá, etc.

 ATIVIDADES COM AS CRIANÇAS

Mais importante que saber o que é folclore, é importante que vivenciem jogos e brincadeiras. Segundo a professora e pesquisadora da UNICAMP, Adriana Friedmann: ” Trazê-los ( os Jogos Tradicionais) de volta e transmíti-los às atuais gerações  é uma tarefa muito importante – significa não somente o resgate  cultural de um patrimônio lúdico nacional, sua preservação e continuidade, como também mostra uma valorização do jogo no seu aspecto educacional.

Consideramos também, que nossas crianç.as, muitas vezes, brincam sempre das mesmas brincadeiras: Polícia e ladrão, Power Rangersm e outras, porque  desconhecem outras que canalizem sua energia.

Além das brincadeiras citadas no item brinquedos, jogos, poderemos nos lembrar de outros tantos da nossa infância.

Outra idéia é confeccionar seu próprio brinquedo. Exemplos:

PETECA DE PAPEL:

  1. Papel Amassado.
  2. Folha amassada de jornal, crepom ou papel   colorido > As crianças cortam a dedo ou com tesoura.Colocar a bola de papel amassado no centro.
  3. Torcer como papel de bala.

PIPA: ( não podendo fazer com papel de seda e varetas, fazer com papel sulfite colorido ou barbante)

Pode-se ainda fazer bolinhas de sabão aproveitando a caneca das crianças ( colocar detergente e água). A criança usará canudinho para fazer as bolinhas  ( ou bolhas de sabão).

Contar histórias do folclore, com ou sem livros ( Saci, Negrinho do Pastoreio, Caipora e outros).

Brincadeiras de Roda e cantos. Um canto que não é do folclore, mas faz alusão a lenda é :

Saci- Pererê/ de uma perna só/ Eu me lembro   de você/ nas histórias da vovó/

Carapuça vermelha/ é mesmo uma graça/ cachimbo na boca/ que solta fumaça.

Pode-se ainda caracterizar as crianças de saci, fazer uma máscara ou confeccionar um bonequinho com tubinho de papel higienico, cartolina, lantejoulas,fósforo…( o boneco pode ser feito de qualquer personagem que tenha sido explorado).

JOGOS E BRINCADEIRAS – A TRIBUNINHA-

Apostila organizada por Kátia Derito Ramos.

* Com a colaboração da O.E. Silvia Cristina R. Pereira.

Seja o primeiro a gostar disso post.

SUBSÍDIOS PARA EXPLICAÇÃO DA LINHA PEDAGÓGICA

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

“É importante que a primeira experiência escolar seja sem medo e que a criança descubra o prazer de aprender. Porque uma das coisas que sabemos é que um dos maiores danos que se pode fazer a uma criança é deixá-la perder a confiança em sua capacidade de pensar.” – ( Emília Ferreiro)

Algumas considerações sobre o nosso trabalho:

Durante os quinze primeiros dias de aula, nosso trabalho objetiva conhecer melhor crianças,seus interesses, habilidades e dificuldades, com base nas características gerais da faixa etária e buscando conhecer cada educando especificamente.

A partir daí, tendo a caracterização do grupo-classe quanto aos aspectos: físico, socio-emocional e intelectual, planejamos o que trabalharemos em: Identidade e Autonomia, Linguagem Oral e Escrita, Matemática, Natureza e Sociedade, Movimento, Artes Visuais e Música, bimestralmente. Esse processo é constantemente avaliado.

As atividades desenvolvidas têm, portanto, sempre objetivos adequados àquele estágio.

Algumas considerações sobre a linha pedagógica:Construtivismo:

Baseia-se nos Estudos de :

  • PIAGET ( desenvolvimento cognitivo)
  • MAKARENKO (importancia do trabalho coletivo)
  • FREINET (educação pelo trabalho, pesquisa, estudo do meio,  autonomia, cooperação)
  • WALLON (criança como ser social, interação com o meio)
  • PAULO FREIRE ( educação libertadora, cidadania)
  • VYGOTSKY (importância da linguagem, inclusive  para participação efetiva na construção da   sociedade), entre outros.

AÇÃO:  A criança aprende pelo manuseio, experimentação, participação ativa do educando na aprendizagem.

REPRESENTAÇÃO: Permite que a criança manifeste seu simbolismo, devolva as impressões que tem do mundo e das vivências. A criança representa nos diferentes momentos: desenho, dramatização,pintura,etc.

TRABALHO EM GRUPO:  nele, a criança interage com outras,aprende mais, portanto, na troca com outros. É incentivada a cooperação, o fazer com. As regras que irão reger a convivência em grupo, são elaboradas com o grupo. A criança aprende a discutir inclusive materiais ( material coletivo) e zelar por aquilo que é de todos.

AUTONOMIA: é incentivada em  todos os momentos. A iniciativa, a independência, são fundamentais para se formar “gente com mentalidade aberta, senso crítico, atitude inquisitiva e espírito de participação na comunidade”. (NOVA ESCOLA,92). É fundamental, portanto para a vida.

Como a aprendizagem é ativa,  as atividades que pressupõe somente  cópia ou repetição de modelos, não são incentivadas. As atividades devem ter significado para a criança.

Ao entrar na Escola, a criança já faz informações do seu mundo, que devem ser consideradas.

A leitura e a escrita  na Educação Infantil, são trabalhadas a partir do nome da criança ( seu primeiro referencial), desde o 1º Estágio, mas de maneira prazerosa e com significado. A partir de histórias, palavras significativas, participação em atos de leitura e escrita, composições (histórias coletivas, individuais e outros textos) ambiente alfabetizador, etc. Assim, como a criança constrói seu conhecimento, constrói a escrita num processo evolutivo e por meio de hipóteses. Nesse processo, como em toda a aprendizagem, é preciso considerar não como erros as tentativas das crianças, mas como processo de aquisição e elaboração da escrita.

Como consideração final, acreditamos no jogo como metodologia adequada de ensino na Educação Infantil.

Brincadeira é coisa séria!

Texto elaborado por Kátia Derito Ramos –  Coordenadora Pedagógica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  1. A   Pré- Escola e a Criança Hoje – Revista Idéias nº2  – São Paulo, FDE, 1988.
  2. Com a Pré- Escola nas mãos – Sonia Kramer e outros – São Paulo, ÁTICA, 1993. 
  3. O Cotidiano da Pré-Escola ( Reorientação Curricular das Escolas  de Educação Infantil)-  SEDUC, 1992.
  4. Revista Criança nº 26 – Ministério da Educação,1994.
  5. Revista Nova Escola nº 82– março de 1995, São Paulo, Abril.

SUBSÍDIOS PARA UM RECESSO EDUCATIVO

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

O Recesso Escolar inicia-se e os pais se perguntam : o que fazer nesses dias sem aula?O que fazer nesses dias para dar a continuidade do aprendizado?Como aproveitar esses dias em casa de forma que divertindo possa a criança aprender?

Nesse período os pais devem lembrar que o recesso poderá ser um bom momento para “brincar”com seus filhos,havendo a interação de pais e filhos, valorização da família despertando bons sentimentos na criança. Para isso podemos indicar:

  • Jogos de Sequência com dados. Aproveitando com isso a quantidade de 1 a 6, e a sequência númerica.
  • Dominó – Além de reforçar a quantidade numérica de 0 a 6, é possível também reforçar a adição com a soma das pedras.
  • Loto ou Bingo
  • jogos de varetas.
  • Jogos de memória
  • Jogos da Velha
  • Jogo de Forca com palavras simples com apenas 2 sílabas.
  • Jogos de Caça Palavras

Além dos jogos é possível trabalhar o reforço da linguagem:

  •  contando histórias seja com livro ou sem.
  • Ir a um cinema, ou assistir um bom vídeo.É necessário reforçar que a repetição devídeos isola a criança não permitindo maior interação com a família.Portanto tudo sem exagero é ótimo.
  • Fazer uma pequena interpretação de Texto, questionando sobre o que entendeu sobre a história e o que mudaria ?o que mais gostou?o que estaria certo ou errado na história?

OBS:Deve-se evitar vídeos de violentos para evitar a agressividade infantil

  • Convide a criança para um compra no supermercado: e lá peça o  auxílio com a leitura do desejado.Mostre o valor de custo, trabalhe a quantidade desejada, comente sobre o produto e a sua real necessidade, seu valor nutritivo caso seja alimenticio.Isso dará uma real importância mostrando não só o significado da linguagem como da matemática, ciências e uma certa valorização pessoal da criança.
  • Que tal realizar um Estudo do Meio?É possível com isso reforçar alguns conteúdos como do Planejamento de forma divertida da seguinte forma:
  1. Passeio livre na Orla da Praia: a caminhada com observação dará a oportunidade de perceber diversos tipos de plantas, moradia assim como o comércio, meios de transporte.Ainda dessa forma, é possível realizar pequenos exercícios respiratórios (auxiliando bastante crianças que tem bronquite,ou asma) ou mesmo na areia,uma boa caminhada fará massagem nos pés auxiliando no desenvolvimento motor da criança.Assim como pequenas corridas, jogar bola,peteca,pipa,frescobol, futebol entre pais e filhos, patinar,rolar,pular, nadar,subir e descer ,trepar,são ótimas atividades para o desenvolvimento corporal e sua lateralidade. Dessa forma é possível levar a pequenos brinquedos existentes na areia da praia.
  2. Ciclismo: andar de bicicleta na ciclovia é um excelente exercício e reforça a coordenação motora.
  3. Passeio ao Aquário: É uma excelente oportunidade para ver e rever todas as espécies maritímas encontradas .Os pais poderão trabalhar os nomes das espécies e a valorização do meio ambiente, assim como a preservação deste evitando a sujeira no mar, na praia.
  4. Passeio de Escuna ou Barco: esse passeio fará com que a criança perceba aspectos geográficos da cidade de Santos, assim como meio de transporte.Valorização  do Meio Ambiente.
  5. Museu de Pesca: Nesta opção, é possível ver espécies maiores como Baleias, tubarões,golfinhos.
  6. Museu de Vaney– Com o objetivo de valorizar o bem estar físico, os pais poderão ir ao Ginásio Antonio Guenaga, e não só realizar diversos esportes como visitar o Museu Desportivoque lá se encontra.Visitar o Museu  De Vaney desperta valores positivos na criança demonstrando não só a importância e o significado da competição desportiva, mas levará o conhecimento da História Desportiva Santista.
  7. Orquidário:Valorização do Meio Ambiente,perceber diversas espécies de plantas e animais diversos.
  8. Horto Municipal: Perceber perto/longe,diversas espécies de animais e seu habitat, valorização do meio ambiente.É possível praticar a pesca,uma atividade que requer concentração muito boa opção para crianças ativas e repletas de energia.
  9. Monte Serrah: Esse passeio proporcionará a criança a visão de toda a cidade, demonstrando aspectos geográficos de Santos,São Vicente,Guarujá.O bondinho do Monte Serrah é outro meio de transporte que poderá ser lembrado e comparado com os demais porém a caminhada até o alto é muito divertido em família.
  10. Centro Histórico: Uma caminhada pelo Centro Histórico é excelente idéia para conhecer a história de Santos e toda a sua importância.É possível realizar de bonde  que  além de prazeiroso, os pais poderão reforçar meios de transporte através da história, comparando aos outros demais monstrando a evolução dos tempos.             Além disso, os pais poderão mostrar o Monumento de José Bonifácio, a Prefeitura Municipal de Santos,Museu do Café, Alfandêga,Igrejas históricas,Monumento ao trabalhador no Porto.Esse tipo de atividade despertará o orgulho pela história da sua cidade proporcionando a sua valorização de atos importantes e a visão de heróis brasileiros.Neste último caso, os pais poderão explicar a diferença existente entre eles e heróis de desenhos animados conhecidos pela criança.
  • Música: Cantar, dançar, tocar instrumentos é uma idéia feliz. Sugerir brincadeiras como “panelas” com colher, ou mesmo tocar flauta, bater palmas, brincadeira da cadeira, advinhe qual é a música, etc.
  • Artes:Construir brinquedos com jornal, material reciclável,revistas,Pintura, modelagem etc.Além de divertido possíbilita o treino e a desenvoltura da coordernação motora e a própria criatividade da criança.Com a companhia dos pais é muito mais interessante.
  • Informática: No site, jogos Infantis,ou Aprenda Brincando.É possível encontrar bons jogos que além de educar diverte.Sempre acompanhado pelos pais,a criança poderá ter o apoio pedagógico necessário.

A cidade de Santos, oferece neste mês de Julho oferece alguns programas muito interessantes e educativos como:

  1. Música no Mercado Municipal– rua Praça Iguatemi Martins s/nº- acontece sempre na 1º terça feira de cada mês com apresentações gratuitas de artistas da região.Desperta na criança o gosto pela música e a cultura regional.
  2. Feira de Orquídeas no Jardim Botânico Chico Mendes -Zona Noroeste – das 08h as 18h –  Muitas espécies serão mostradas na 2ª  feira de Orquídeas com entrada gratuita. Os pais e crianças poderão ter serviços de informação sobre o plantio,cultivo,quantidade de água,exposição ao sol,prevenção e controle de pragas e manutenção geral da planta.O jardim Botãnico fica na Rua João Fraccaroli s/nº, no Bom Retiro.
  3. Curso de Férias no Aquário Municipal:inscrições  para os cursos de férias voltadas para crianças,adolescentes e adultos  envolvendo o mundo marinho e sua preservação ambiental são sempre oferecidas em Diário Oficial do Municipio.Para se inscrever, os interessados devem ir ao Aquário, das 9h às 12h e das 14h às 17h, com RG ou certidão de nascimento. A matrícula será feita em troca de uma leite em pó a ser doada ao Fundo Social de Solidariedade.

Enfim, o recesso é um momento de descanso para todos, mas é importante ressaltar que em cada ação poderá ser encontrado um momento educativo.Sem excessos e muita alegria, um feliz recesso a todos!

TDA E A HIPERATIVIDADE NA SALA DE AULA

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Uma mensagem aos professores:

A profissão de educador é uma missão –  uma promessa de coragem, força e esperança. Crianças com TDAH e  hiperatividade pode ser muito desafiadora. Esperamos colaborar com  esta nobre missão, ajudando nossos jovens clientes e suas famílias,  divulgando informações sobre TDAH, hiperatividade e co-morbidades e oferecendo orientações de qualidade.

Sobre as crianças e jovens com TDAH e hiperatividade, tenha sempre em mente:

1. Nem sempre querer é poder

“Ele  agiria diferente se quisesse – faria a lição, ficaria sentado, não  perturbaria tanto as pessoas”. Pode ser verdade – ou não. Uma criança  ou jovem com TDAH ou hiperatividade pode ser muito “comportado” às  vezes. Esta última parte – “às vezes” é o maior complicador. Como  explicar que alguém é capaz de algo, mas somente algumas vezes? A  questão pode não ser apenas mau-criação, falta de interesse ou preguiça – pode ser um problema orgânico, chamado TDAH – Déficit de Atenção e Hiperatividade. Continue pesquisando sobre TDAH neste site.

2. Pode haver Déficit de Atenção sem hiperatividade – e também em meninas

Normalmente,  o que mais incomoda é a hiperatividade, especialmente nas crianças mais  novas. Porém, apenas um pouco mais da metade dos casos de TDAH são do  tipo hiperativo ou combinado – o restante sofre especialmente com  desatenção. Meninos apresentam TDAH – com ou sem hiperatividade – mais  freqüentemente que meninas. Mas isto não quer dizer que uma menina não  possa ter TDAH, até mesmo do tipo hiperativo-impulsivo.

3. Não tente culpar os pais pelos problemas da criança – nem os pais deveriam culpar a escola

O  TDAH não é sinônimo de limites ou problemas com a educação das crianças  em casa. Os pais também sofrem muito com crianças e jovens com TDAH,  especialmente quando há hiperatividade. Trate-os como parceiros, nas batalhas do dia-a-dia.  Pais e professores têm muito a dar, uns aos outros. Uma boa relação de  parceria é o melhor para a criança e ajuda a minimizar a carga, para  ambos os lados.

4. Antes de falar com os pais sobre TDAH, peça a opinião de outro colega ou do psicólogo da escola

Faça  uma lista dos comportamentos que você acha mais relevantes, não

apenas  hiperatividade ou distração. Leve em conta o que é comum e esperado nas  crianças da mesma faixa etária. Não tente fazer um diagnóstico – apenas  relate o que você observou.

5. Convide os pais a observarem a criança na escola

Pode  ser necessário dar aos pais a oportunidade de verificar as diferenças  entre a forma de agir de seu filho e as outras crianças. Pode ajudar a  sensibilizá-los para o problema – especialmente se a criança  for filho único, neste caso os pais não tem base para comparação. O  ideal é que os pais possam ver a criança durante uma aula e em  interação com os colegas. Caso os pais não possam estar presentes de  uma forma discreta, a criança poderá ficar mais agitada por algum  tempo, até que se acostume com a presença deles.

6. Crianças com TDAH podem se comportar muito bem em situações novas / diferentes

Quando  recebe atenção individualizada ou se encontra em situações novas, como  visita a médicos ou tratamentos psicológicos, a criança com TDAH e/ou  hiperatividade pode não apresentar os sintomas dos quais a escola,  professores e/ou pais se queixam.

/www.dda-deficitdeatencao.com.br/artigos/restrito/6dicasprofessores.html

SUGESTÃO DE ATIVIDADES PARA ALFABETIZAÇÃO

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

Para trabalhar a alfabetização, devemos considerá-la, antes de mais nada, como um processo. Há que se considerar também, que em um mundo letrado como o nosso, a criança tem maior facilidade para o aprendizado, desde que esteja motivada, o que inclui saber para que servem as letras.E por serem as letras uma convenção, é necessário que sejam ensinadas às crianças.

  • Trabalho com o ALFABETO:

Apresentação do A lfabeto ( como uma família: as vogais são as pessoas mais fortes:as consoantes são mais fracas e para escrevermos uma palavram as consoantes precisam das vogais,pois não “andam” sozinhas). O alfabeto deve ser trabalhado desde o 1º Estágio. Pode-se  apresentar o alfabeto, com : Música”abecedário da Xuxa”;Livro”Alfabeto dos Pingos”- Ed. Ática e outros.

Alfabeto Concreto: Colecionar pequenos objetos ( crianças adoram quinquilharias). O que as crianças trouxerem, deverá ser colocado em saco plástico transparente, com a letra inicial.Ex.: No varal da classe, um saco para cada letra ou garrafa cortada.

ABCD

Ex:1 Uma criança traz um avião de plástico; discute-se com a classe o nome do objeto- AVIÃO. Discute-se como se escreve  e coloca-se no saco da letra inicial A.

Ex:2 Uma criança traz uma caixa de remédio: discutepse com a classe o nome do objeto. É necessário combinar com o grupo, pois para uns pode ser remédio, para outros xarope e para outros, caixa. Após combinado, discute-se como escrever e coloca-se no saco   ou garrafa da inicial da palavra.

Com o Alfabeto Concreto, muitas possibilidades, como : ditado mudo ( cada 4 crianças recebem 4 objetos,devendo escrever os nomes deste objetos); pode-se fazer bingo com os nomes, listas de palavras iniciadas pela mesma letra, etc.Pode-se ainda :classificar, contar, falar algo sobre o objeto, brincar, etc. É um material riquíssimo para linguagem oral, escrita, matemática.

  • Atividades a partir do nome da criança ( sugestões já entregues). É fundamental  trabalhar a lista de nomes da classe ( desde a chamada com os crachás). Desde o 1º  Estágio.
  • Atividades a partir de um livro de história, música ou vivência:

Recontar.

Escolha da palavra principal ( o professor escreve a palavra na lousa e explora-se a letra inicial, final, número de letras…)

Outras palavras ou nomes da classe que inicial com a mesma letra Ex.: História RAPUNZEL

RICARDO ( NOME DE COLEGA DA CLASSE – CRACHÁ)

RATO

REI

RABO

RUA

(É importante que as crianças forneçam as palavras).

Lista de Palavras. Umas 4 palavras fornecidas a partir da letra inicial da palavra principal da história ou de elementos da história, poderão ser desenhados. Estas palavras poderão fazer parte de um alfabeto ilustrado, que será construído a medida que as situações de aprendizagens aconteçam. Ex.: Fichas de cartolina, em uma caixa de sapato.

NOME DO DESENHO

Para a ficha que ficará no alfabeto ilustrado, somente a criança que já terminou, o fará.Completar a palavra que está sendo explorada ( a vista da modelo):

RAPUNZEL

_APUNZEL

R_PUNZEL

RA_UNZEL

RAP_NZEL

RAPU_ZEL

RAPUN_EL

RAPUNZ_L

RAPUNZE_

Ou completar com as vogais : R_P_NZ_L

Ou completar com as consoantes: _ A_U_ _ E _

Bingo com as palavras da lista de nome: À medidan que o alfabeto ilustrado da classe vai crescendo, todas podem ser utilizadas para BINGO/FORCA/CAÇA PALAVRAS.

  • Texto Coletivo : a  partir de um acontecimento, brincadeira, data ou história. Pode ser também o texto para um cartão. O professor escreve na lousa ou no papel L.P. o que os alunos vão ditando.Pode-se também fazer outro final para a história, se for o caso).

Sugestão:passar no mimeógrafo o texto coletivo.As crianças desenharão na mesma folha textos coletivos e a criança escreve – Assina seu nome e presenteia o livro com os textos que colaborou para elaborar, para sua mãe e/ ou pai).Importante: o texto coletivo deve  ser feito desde o 1º Estágio.

Outras atividades que proporcionem a construção da escrita pela criança, deverão ser desenvolvidas e poderão ser socializadas  com as colegas.

Apostila organizada por KÁTIA DERITO RAMOS ( Coordenadora Pedagógica)- 2004

O AUTISMO

Posted in Uncategorized by silvia maria do nascimento on 26/02/2012

No autismo, a dedicação é a fórmula da melhor terapia

O autistas possuem problemas de comunicação e de conduta. No geral, ele são normais na sua aparência, porém não se relacionam com as demais pessoas de maneira normal. Eles não conseguem distinguir a realidade da fantasia;agem como se fossem surdos, resistindo aos aprendizado, aos contatos físicos e apresentando risos em ocasiões inoportunas.

A “Sindrome de Kanner”, como é denominado o Autismo Infantil, geralmente é mais comum entre meninos  do que em meninas; e os sintomas aparecem a partir dos 18 (dezoito)meses de vida e raramente após os 3 (três) meses de idade.

Muito  se tem pesquisado sobre a causa do Autismo, bastante se descobriu, mas muito ainda necessita ser pesquisado. Porém, o importante no momento é o que podemos fazer em relação ao déficit apresentado pela criança Autista, como a comunicação, cognição, atenção e sua instabilidade emocional.

O Comportamento caracteristico do Autista

Encontrando 04 (quatro) dessas características – em idade inadequada e de modo persistente – deve ser lembradaa possibilidade de Autismo. Caso se encontre   07(sete) dessas características – naquelas mesmas condições – o diagnóstico de Autismo necessita ser seriamente considerado e a criança, portanto, ser submetida à avaliação.

  • Usa as pessoas como Ferramenta
  • Resiste a mudanças de rotina
  • Não se misturam com outras crianças
  • Apego inapropriado a objetos
  • Não mantém contato visual
  • Age como se fosse surdo
  • Resiste ao aprendizado
  • Não demonstra medo do perigos
  • Risos e movimentos inapropriados.
  • Resiste ao contato físico
  • Acentuada hiperatividade física
  • Gira objetos de maneira bizarra e peculiar
  • As vezes é agressivo e destrutivo
  • Modo e comportamento indiferente e arredio.

Apostila da Associação de Pais, Amigos e Educadores de Autistas,fornecida em reunião (20/05/09 ) na Seduc com a Profª Joana.

Seja o primeiro a gostar disso post.
%d blogueiros gostam disto: